Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Ana Lúcia comparece ao Ambulatório de Alto Risco da Universidade Federal de Juiz de Fora com 28 semanas de gestação. Não apresenta queixas, relata boa movimentação fetal e nega perda de sangue e de líquido amniótico pela genitália. A rotina (propedêutica) de primeiro trimestre foi realizada com 10 semanas e não mostrou anormalidades. Na consulta atual, a gestante trouxe os seguintes resultados da propedêutica solicitada no segundo trimestre: hemoglobina = 12,2 g/dl; hematócrito = 37,2%; leucometria = 8900/mm3; glicemia de jejum = 110 mg/dl; TS-50 g (50 g de dextrosol; 1 hora de duração) = 157 mg/dl; VDRL = não reator; EAS e urocultura = normais. Considerando os resultados destes exames, pode-se afirmar que:

A
Ana Lúcia é sabidamente diabética
B
Ana Lúcia apresenta exame de rastreio positivo para diabetes gestacional, sendo necessária a confirmação diagnóstica através da curva glicêmica com 100 g de dextrosol e avaliação em jejum, 1, 2 e 3 horas
C
Ana Lúcia apresenta exame de rastreio positivo e, como o resultado do TS-50 g foi superior a 140 mg/dl, foi confirmado o diagnóstico de diabetes gestacional
D
Ana Lúcia deve repetir o teste de rastreio com 32 semanas de gestação
A respeito da infecção de urina e de vias urinárias, é correto afirmar:
Um paciente de 35 anos procura o pronto-socorro com queixa de dor epigástrica intensa, distensão abdominal e vômitos. Está febril (temperatura axilar = 38 °C), taquicárdico (frequência cardíaca = 105 batimentos por minuto) e taquipneico (frequência respiratória = 24 incursões por minuto). O abdome está distendido e sem sinais de irritação peritoneal. Amilase: 1790 U/L. APACHE II: 25. Além das medidas habituais de reanimação, no terceiro dia de evolução é feita tomografia computadorizada de abdome que mostra necrose de 35% do parênquima pancreático. Melhor abordagem terapêutica neste momento, além de continuar com o suporte clínico intensivo:
Paciente de 12 meses de idade, sexo feminino, vem a consulta médica por falta de ganho ponderal há 60 dias. Sem outras queixas. A mãe refere que a criança alimenta-se normalmente, apresentando dieta adequada para a idade. Seu peso atual está no P 3 (anteriormente no P10) e a estatura no P 25 (anterior P25). O exame físico geral e segmentar não apresenta alterações. Há aproximadamente 1 semana, realizou hemograma e parasitológico de fezes que foram normais. Qual seria a melhor conduta para este paciente?
A Sífilis é uma doença infectocontagiosa de evolução sistêmica e crônica. Estima-se que mais de novecentos mil casos novos ocorram a cada ano no Brasil. Na gravidez é considerada de extrema gravidade, e seu tratamento adequado é de fundamental importância. Levando-se em consideração o tratamento adequado da sífilis na gravidez, assinale a correta:
Compartilhar