Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Anália, 58 anos, internada com febre, náusea e dor abdominal de forte intensidade em hipocôndrio direito com irradiação para o dorso há 36 horas, com piora nas últimas 12. Exame físico: FC 92bpm, FR 23 irpm, Tax 39ºC, dor abdominal intensa à palpação do hipocôndrio direito. Exames laboratoriais: leucograma: 19.000/mm3 (eosinófilos 0%, bastões 10%, segmentados 78%), bilirrubina total 1,2mg/dL, direta 0,7mg/gL, indireta 0,5mg/dL; EAS normal. Após duas semanas, Anália apresenta febre e calafrios e é reinternada. A hemocultura evidencia bacteremia por Gram negativo. O médico punciona a veia subclávia, inicia empiricamente ceftriaxona (1 g IV de 8/8h) e reposição volêmica. Não há melhora, mantendo febre e taquicardia e, 48 horas depois, o resultado da hemocultura é positivo para E.coli, sensível a ceftriaxone, cefotaxime e imipenem, e resistente a ceftazidime e aztreonam. A radiografia de tórax e o EAS são normais. A estratégia antimicrobiana adequada neste momento é:

A
aumentar a dose de ceftriaxone para 2 g de 8/8h
B
repetir a hemocultura e adicionar fluorquinolona
C
interromper ceftriaxone e iniciar meropenem
D
adicionar amicacina ao esquema anterior
Pré-escolar, 3 anos e 6 meses, é levado ao ambulatório com história de febre há 3 semanas associada à dor intensa em membro inferior direito, sem relato de trauma local. Ao exame físico, apresenta palidez cutâneo-mucosa, linfonodomegalia cervical indolor medindo cerca de 2 cm e esplenomegalia. O hemograma revelou anemia, leucopenia e plaquetopenia. A principal hipótese diagnóstica, neste caso, é:
No quadro clínico da leptospirose, podemos afirmar que:
A revacinação para Tuberculose é recomendável a:
Portadora de lúpus eritematoso sistêmico chegou, ao ambulatório, com quadro de reativação grave da doença. Que exames, dentre os abaixo, melhor detectam esta situação?
Compartilhar