Questões na prática

Pediatria

Neonatologia

Ao recepcionar em sala de parto um RN prematuro de 35 semanas e realizar os primeiros passos, o neonatologista observa, neste RN, uma respiração irregular e FC de 50 bpm. Qual a conduta a ser tomada?

A
intubação traqueal e ventilação com pressão positiva (VPP) e massagem cardíaca.
B
VPP com bolsa e máscara.
C
VPP com bolsa e máscara e massagem cardíaca.
D
intubação traqueal e VPP.
O método de escolha para diagnóstico de qualquer cardiopatia congênita no recém-nascido:
Lactente com 8 meses é levado a unidade básica de saúde para atualização de seu cartão vacinal e fazer uma consulta. Período gestacional sem intercorrências, sorologias materna normais. Nasceu prematuro de 28 semanas e evoluiu com cianose e dificuldade respiratória. Foi intubado em sala de parto e transferido para a UTI neonatal. Feito diagnóstico de membrana hialina, recebeu surfactante e permaneceu em ventilação mecânica por um mês. Ainda recebeu diagnóstico de cardiopatia congênita e passou por correção cirúrgica aos três meses. Apresentou várias complicações infecciosas no pós-operatório, permanecendo internado até a idade de sete meses. Não recebeu nenhuma vacina durante o período de internação e nem após alta hospitalar, exceto a primeira dose de hepatite B e BCG. Ao exame físico não apresenta cicatriz vacinal. Considerando o caso apresentado, é CORRETO afirmar que:
Assinale a alternativa CORRETA. Para triagem de cardiopatia congênita grave, deve-se realizar a aferição da oximetria de pulso (“Teste do Coraçãozinho”) em todo recém-nascido, aparentemente saudável, com idade gestacional > 34 semanas, entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta da Unidade Neonatal. Considera-se resultado normal:
Em relação à reanimação cardiopulmonar, analise as afirmativas a seguir e assinale a alternativa CORRETA. I. Se o pulso estiver ausente ou a frequência cardíaca for menor que 60 batimentos por minuto com sinais de perfusão ruim, deve-se iniciar compressões torácicas o mais rápido possível. II. Nos casos de atividade elétrica sem pulso, deve-se desfibrilar com 4 J/Kg (Joules por quilograma de peso corporal) no primeiro choque, 8 J/Kg (Joules por quilograma de peso corporal) e de 10 a 12 J/Kg (Joules por quilograma de peso corporal) nos seguintes. III. Deve-se manter a proporção entre compressões e ventilações de 30:2 (para dois socorristas) e 15:1 (para um socorrista). IV. A administração de cálcio de rotina não é recomendada para parada cardiorrespiratória pediátrica, a não ser em situações de hipocalcemia, dose excessiva documentada de bloqueador dos canais de cálcio, hipermagnesemia ou hiperpotassemia. Estão corretas as afirmativas:
Compartilhar