Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Dermatologia

Aos comunicantes assintomáticos de hanseníase é preconizado:

A
realização de teste de Mitsuda e quimioprofilaxia para os não reatores.
B
realização de teste Mitsuda e quimioprofilaxia para os reatores.
C
exame dermatológico e vacinação antitetânica.
D
exame dermatológico e vacinação contra hepatite B.
E
exame dermatológico e vacinação com BCG intradêmico.
Em relação à escabiose, dermatozoonose causada pelo Sarcoptes scabiei var. hominis, assinalar a alternativa CORRETA:
Recém nato (RN) de parto normal, 2 dias, a termo, bolsa rota no ato, Apgar, 8/9, PN = 3.000g, estatura = 50 cm, cuja mãe iniciou o pré-natal no 7° mês e somente trouxe os exames solicitados na última consulta obstétrica há duas semanas. Os exames evidenciaram VDRL = 1/64, assintomática, sem tratamento prévio. A paciente recebeu na própria unidade de saúde 2,4 milhões de penicilina benzatina IM, não retornando para a segunda dose. O RN encontrava-se assintomático, com VDRL = 1/64. A conduta é:
Uma paciente de 34 anos relata cefaleia fronto-temporal unilateral, pulsátil, de forte intensidade, associada à náusea, fotofobia e osmofobia há 12 anos. As crises têm duração média de 48 horas e ocorrem de duas a quatro vezes por mês. Ansiedade e consumo de vinho desencadeiam as crises: o uso de analgésicos e anti-inflamatórios aliviam a dor. Nos períodos entre as crises, mantém-se assintomática. A paciente procurou atendimento de urgência por ter tido parestesia no dimídio esquerdo por cerca de 40 minutos, a qual foi seguida por cefaleia mais intensa do que o habitual, porém com as mesmas características acima descritas. O exame neurológico realizado a cerca de 2 horas após o início da cefaleia não revelou anormalidade. Quanto à parestesia relatada nesse caso, qual a etiologia mais provável?
Pacientes de 54 anos fez mamografia há 15 dias, que mostrou nódulo neoformado de 5 mm isodenso, fez ultrassom que mostrou tratar-se de nódulo cístico homogêneo de bordos regulares, história familiar de mãe com câncer de mama aos 84 anos. Qual a melhor conduta?
Compartilhar