Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Pediatria

Pediatria Geral

As duas questões 24 e 25 referem-se ao caso clínico abaixo: Menina de 11 anos de idade é trazida à unidade de saúde pela mão com queixas de fluxo vaginal que mancha suas roupas intimas. A mãe relata secreção em pequena quantidade, sem odor, não irritativa, não pruriginosa. Na avaliação ginecológica, vulvoscopia sem sinais inflamatórios, hímen intacto, presença de pêlos na região pubiana recobrindo a linha média. Na avaliação da mama, apresenta elevação da mama e da papila, sem separação dos contornos as aréola e da mama. Quanto ao exame físico da paciente e segundo os estágios da Tenner, amelhor classificação para a paciente descrita é:

A
pode ser classificada como m1 e está iniciando a pubarca
B
pode ser classificada como M2 e está iniciando a pubarca
C
pode ser classificada como M3 e provavelmente ainda não passou pela menarca
D
pode ser classificada como M3 e provavelmente já passou pela menarca
E
pode ser classificada como M4 e já passou pela pubarca e pela menarca
Uma senhora de 65 anos foi submetida, há 20 anos, à correção de hérnia incisional pós-cesárea. Evoluiu com recidiva da hérnia quatro meses após a cirurgia. Refere que o abaulamento da região vem aumentando progressivamente, levando a dificuldade para deambular e evacuar. Tem diabetes controlado com hipoglicemiante oral e lúpus controlado com corticoide. Índice de massa corpórea: 43,5 kg/m². Tem abdome em avental, com abaulamento da região infraumbilical e de flanco esquerdo, medindo 55 cm no sentido transversal, 30 cm no sentido longitudinal e 28 cm de altura. A pele tem hiperemia e lesão ulcerada. Foi submetida à hernioplastia com redução do conteúdo do saco herniário (grande omento, cólon transverso e estômago), sutura borda a borda do anel herniário e dermolipectomia. Foi extubada no primeiro pós-operatório, após gasometria normal, colhida com a doente em ventilação mecânica, com fração inspirada de oxigênio de 30%. No segundo pós-operatório, apresenta frequência cardíaca de 140 bpm e respiratória de 42 ipm. PA = 70 × 40 mmHg. Pressão venosa central: +10 cm de água. Oligúria. Causa mais provável da instabilidade:
Com relação ao diagnóstico pré-natal das cardiopatias congênitas, considere as a?rmativas a seguir. I. A ecocardiogra?a fetal é um instrumento valioso para a avaliação fetal e é considerada uma ferramenta fundamental para o diagnóstico cardiológico intra-uterino, incluindo as anomalias estruturais, as alterações do ritmo e as alterações funcionais. II. É recomendada a realização da ecocardiogra?a fetal a partir da 20ª semana de gestação até o termo, sendo que as melhores imagens são obtidas entre 22 e 28 semanas. III. O diagnóstico pré-natal das malformações cardíacas não modi?cam o prognóstico do recém-nascido, pois ainda há poucas alternativas de tratamento intra-útero. IV. O diagnóstico pré-natal das malformações cardíacas é realizado através de ultrassonogra?a transvaginal até a 14ª semana de gestação. Assinale a alternativa correta.
Criança de dois anos, com quadro de pneumonia, apresenta piora clínica e é levada ao pronto-socorro. Ao exame apresentava-se: sonolenta, cianótica, FC: 180 bpm, FR: 65 ipm, com retração de fúrcula, batimento das asas do nariz e em uso da musculatura acessória. Foi colocado oxigênio a 10 l/min sob máscara com saturação 88%. Nesta situação clínica, a conduta a ser adotada será:
Como é executado o teste de Tinel na investigação clínica da síndrome do túnel do carpo?
Compartilhar