Questões na prática

Clínica Médica

Nefrologia

Cícero, 50 anos, foi internado com história de edema generalizado há 4 meses. Negava dispnéia ou icterícia. Vinha trabalhando normalmente. Ao exame físico, demonstrava anasarca, corado, anictérico, PA=130/80 mmHg, FC=84 bpm. Sem sinais de congestão pulmonar ou de insuficiência cardíaca. No dia 4 de internação apresentou forte dor em hemitórax direito acompanhada de dipneia, cianose, PA=90/70 mmHg e FC=120 bpm. O Rx de tórax estava normal. As condutas para o esclarecimento diagnóstico do evento agudo e da doença de base são respectivamente:

A
arteriografia pulmonar e biópsia hepática
B
mapeamento pulmonar ventilação/perfusão e ecocardiograma
C
TC de tórax e biópsia renal
D
mapeamento pulmonar ventilação/perfusão e proteinúria de 24 horas
E
arteriografia pulmonar e biópsia renal
Um homem de 55 anos, com insuficiência cardíaca congestiva, vem em tratamento com aspirina, enalapril e furosemida. Durante o acompanhamento, nota-se aumento progressivo das escórias nitrogenadas e hipercalemia. Retirado o enalapril, aos poucos a calemia e a creatinina sérica voltam ao normal. Algumas tentativas de reintroduzir tanto inibidores da enzima conversora de angiotensina quanto antagonistas do receptor da angiotensina levaram novamente aos efeitos citados. Visando a aumentar sua expectativa de vida e prevenir aqueles efeitos colaterais, a combinação de drogas que deve ser usada para substituir o enalapril no tratamento deste paciente é:
Considerando o atendimento ao recém-nascido em sala de parto, assinale a alternativa INCORRETA.
Considere uma mulher de 40 anos, portadora de uma doença hemolítica desde criança e que, numa USG pélvica, descobre ter cálculos em vesícula biliar dos quais ela é assintomática. Sobre esses cálculos, é CORRETO afirmar que:
Leia o caso e responda. Mecânico aposentado de 65 anos, antigo morador da comunidade do morro dos Macacos, retorna à consulta, após seis meses, com o médico de família na USF. Foi trazido pela agente comunitária (ACS), que, preocupada com a situação, agendou o atendimento. O paciente é hipertenso e, há dois anos, sofreu um infarto agudo do miocárdio. Antes do atendimento a ACS relatou ao médico que, desde o falecimento da esposa (oito meses antes), o paciente tem morado sozinho, parou de vir às consultas, tem saído pouco de casa e quase não conversa com os vizinhos. Na visita familiar ela notou que ele estava mais magro, com aparência suja e descuidada, dormindo pouco e bebendo quase todo dia. O único medicamento que tomava era captopril duas vezes ao dia. O paciente trouxe exames feitos há um mês na UPA, quando apresentou dor no peito: glicose = 116 mg/dl; CKmb = 10 U/I; troponina não reagente; colesterol total = 200 mg/dl; triglicerídeos = 300 mg/dl, creatinina = 1,1 mg/dl, Hb = 13 g/dl, Hto = 39%. O ECG mostrava área inativa em parede inferior e sobrecarga atrial esquerda. Na consulta o médico identificou uma pessoa de aparência triste e cansada. No exame físico: PA = 160 x 100 mmHg, FC = 80 bpm, IMC = 23; Ausculta cardiorrespiratória sem alterações. As ações que devem estar contidas no plano terapêutico a ser desenvolvido pela equipe do PSF com o paciente neste encontro, são as descritas abaixo: 1. Encaminhar para ambulatório de psiquiatria para iniciar medicação psicotrópica; 2. Fazer contato com vizinhos e familiares para alertar da necessidade de apoio e observação; 3. Procurar com o Serviço Social um asilo para abrigar seu João temporariamente; 4. Contactar o apoio da saúde mental (NASF) para avaliar medicação psicotrópica; 5. Fazer visitas domiciliares semanais com o ACS e a enfermeira; 6. Encaminhar o paciente para o grupo de atividade física para cardiopatas. Dentre elas, pode-se dizer que estão corretas as afirmativas:
Compartilhar