Questões na prática

Clínica Médica

Hematologia

Criança de quatro anos de idade, parda, acompanha regularmente em posto de saúde do seu bairro. Apresenta déficit pondero-estatural (abaixo do percentil 25) com vários tratamentos adequados para anemia, com sulfato ferroso, há dois anos. Dá entrada no Pronto Atendimento com dor intensa em MMII e edema de dorso de pés, pálida e prostrada. FC=123bpm, PA=70/40mmHg. A conduta mais adequada é:

A
Coleta de hemograma e culturas em geral e início imediato de antibiótico para estafilococcia e solicitação de concentrado de hemácias
B
Hidratação imediata com soro fisiológico, analgesia potente e coleta de hemograma
C
Coleta de hemograma, hemocultura e RX de MMII, início imediato de Oxacilina
D
Coleta de VG e Hb, soro glicofisiológico e antibiótico de largo espectro
E
Hidratação com soro fisiológico, concentrado de hemácias, coleta de VG, Hb e Oxacilina
Escolar de sete anos é levado ao ambulatório por apresentar dor à deglutição, lacrimejamento e sensação de corpo estranho em olho direito. Exame físico: hiperemia de orofaringe, hiperemia conjuntival direita e linfadenopatia auricular direita. O quadro clínico apresentado sugere:
Paciente de 44 anos, sexo feminino, apresenta dor abdominal de moderada intensidade em baixo ventre, há 2 dias, e hiporexia. Não apresentou febre nem vômitos. Refere urina escura e tem leucorreia, há mais de 2 anos, amarelada. Última menstruação há 14 dias, ciclo regular. Ao exame, apresenta dor à palpação em fossa ilíaca direita. É INCORRETO afirmar:
Paciente, 13 anos de idade, vem à emergência com quadro de sonolência, evoluindo a torpor, acompanhado de hipotensão, hiporreflexia, cianose labial e depressão respiratória. Sem qualquer passado de doenças. Existe informação de conflito familiar. A principal suspeita desse quadro é uma síndrome tóxica. A síndrome tóxica que se enquadra nos sintomas apresentados e as drogas relacionadas são, respectivamente:
Criança de 1 ano e 10 meses procurou a emergência pediátrica por quadro de febre, coriza, tosse e sibilância (4º episódio) iniciado há 18 horas. Mostrava-se ativa, a despeito da dispneia/sibilância. Com exceção das alterações relacionadas ao aparelho respiratório, o resto do exame físico era normal. Durante a permanência no hospital, apresentou crise epiléptica generalizada, em vigência de febre (38 °C), com duração aproximada de 5 minutos, sem recorrência ou intercorrências até o momento da alta após 36 horas do internamento pelo quadro respiratório. A mãe informou que foi a primeira crise e que a criança era saudável. Negou história familiar semelhante. Em relação ao caso acima, qual a afirmação CORRETA?
Compartilhar