Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Dentre as pacientes que procuram os ambulatórios de Doenças Sexualmente Transmissíveis, é comum ter de fazer a distinção entre úlcera genital da sífilis primária e do cancro mole. O diagnóstico diferencial, com bases clínicas, pode ser feito adotando as seguintes observações:

A
no cancro mole, os bordos da lesão são elevados e dolorosos.
B
na sífilis primária, o fundo da lesão é purulento, de odor fétido, tendo os bordos planos.
C
normalmente, na sífilis primária há mais de uma lesão ulcerativa, dolorosa à palpação.
D
o cancro mole apresenta úlcera de bordos planos, dolorosos, de odor fétido, e, frequentemente, há mais de uma lesão.
E
na sífilis primária, a úlcera tem bordos elevados, com infecção secundária que produz odor fétido.
São exames potencialmente úteis na diferenciação entre insuficiência renal aguda e crônica, EXCETO:
No ambulatório de ORL, um paciente apresenta febre elevada de 39°C, dor de garganta e odinofagia. A oroscopia mostra intensa hiperemia e congestão da mucosa faríngea, de coloração vermelho vinhosa, e a presença de pseudomembranas que comprometem por contiguidade os pilares anteriores. O diagnóstico mais provável é de Angina:
Marcela tem 3 dias de vida, nasceu de parto normal, a termo. Sua genitora adquiriu varicela 5 dias antes do parto. Qual a conduta a ser tomada em relação à Marcela?
Um paciente de 42 anos, recentemente internado num leito de UTI, tem diagnóstico sindrômico de choque. Há poucos minutos foi colocado nesse paciente um cateter de Swan-Ganz, que permite medidas invasivas para acessar o tipo de choque corretamente. As medidas observadas permitem perceber as seguintes anormalidades: pressão capilar pulmonar ocluída reduzida, débito cardíaco reduzido e resistência vascular sistêmica aumentada. Com base nesses achados, esse paciente apresenta que tipo de choque?
Compartilhar