Questões na prática

Pediatria

Doenças Respiratórias

Desde a década passada, a Atenção Integral às Doenças Prevalentes da Infância (AIDPI) revelou-se uma estratégia adequada à disposição dos médicos, com um conjunto básico de intervenções baseadas em evidências científicas que permitem prevenir e tratar eficazmente as principais doenças e problemas que afetam a saúde nos primeiros anos de vida. Acerca dessas evidências, julgue o item. O caso de uma criança de dois anos de idade que tosse há três dias, consegue ingerir líquidos e que, ao exame físico, apresenta frequência respiratória de 50 incursões por minuto, sem retrações, estridor ou sibilância não deve ser classificado como pneumonia.

A
CERTO
B
ERRADO
Paciente do sexo masculino, com 54 anos, chega ao pronto atendimento referindo desconforto torácico descrito como uma sensação de peso e localiza a sensação colocando a mão sobre o esterno, com irradiação para o ombro esquerdo. O desconforto foi desencadeado após esforço físico habitual. Nega sintomatologia semelhante anteriormente. A dor aliviou 20 minutos após chegar ao hospital. Tem diagnóstico há três anos de dislipidemia. Em uso de sinvastatina 20 mg ao dia. Nesse caso, qual é a hipótese diagnóstica?
Paciente do sexo masculino, com 58 anos de idade, iniciou há quatro dias com dispneia e palpitação durante atividades físicas habituais. É diabético em uso de metformina após o jantar. Realizou RX de tórax, cujo resultado mostrou aumento da área cardíaca. Foi aventada hipótese diagnóstica de insuficiência cardíaca. Qual a classe funcional desse paciente pela classificação da New York Heart Association (NYHA)?
Menino de 5 anos de idade dá entrada no pronto-socorro com frequência respiratória de 62 irpm, frequência cardíaca de 128 bpm, agitado, com cianose de extremidades, tiragem intercostal e supraesternal, sibilos audíveis sem estetoscópio e saturação de oxigênio de 82% na oximetria de pulso (em ar ambiente). Nos últimos 12 meses teve uma internação por asma, com necessidade de ventilação invasiva, e três visitas a serviços de emergência por crises de asma recorrentes. Faz uso de corticoide em aerossol diário. Mora em área de invasão, não frequenta escola e a renda familiar mensal é de meio salário mínimo. Considerando os dados apresentados, quantos são os fatores de risco para que esse paciente seja considerado um caso de asma grave, com risco de morte?
Em relação aos pares cranianos e ao exame clínico do paciente, é correto afirmar:
Compartilhar