Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

É considerado o exame “padrão ouro” para o diagnóstico da diverticulite aguda:

A
Tomografia computadorizada de abdômen
B
Colonoscopia
C
Enema opaco
D
Ultrassonografia abdominal
Milton, 58 anos, natural de Minas Gerais, hipertenso há 20 anos, chega à emergência com dor abdominal aguda seguida por distensão e vômitos fecaloides, há 24 horas. História de cirurgia para apendicite aguda há 24 anos e doença diverticular. Exame físico: Temperatura axilar 36,5º C, pressão arterial 90x60 mmHg, frequência cardíaca 108bpm. Frequência respiratória 28 irpm. Exames laboratoriais iniciais: hematócrito 45%, leucócitos 10.000/mm³ de bastões, creatinina 1,6 mg/dl, ureia 82 mg/dl, K 4,9 mEq/I, Na 140 mEq/I. As alterações hemodinâmicas se devem a:
Severino de 34 anos, foi vítima de ferimento abdominal por arma de fogo no quadrante superior direito há 3 meses. Há 6 dias iniciou com melena e hoje apresentou um episódio de hematêmese, quando então procura o pronto-socorro. Ao exame constata-se uma icterícia ++/4. Qual a hipótese diagnóstica mais provável?
Um paciente politraumatizado, com ferimento penetrante no abdome produzido por projétil de arma de fogo, foi submetido a uma laparotomia exploradora. Durante a cirurgia, foram corrigidos vários danos às estruturas intra-abdominais. Ainda na sala de recuperação pós-anestésica, o paciente passou a apresentar distensão abdominal, oligúria, acidose metabólica, aumento da pressão venosa central, sinais de hipertensão intracraniana, sinais de insuficiência respiratória com hipercapnia e hipóxia, diminuição da complacência pulmonar e da capacidade residual funcional, além de hipotensão arterial. Qual a hipótese diagnóstica mais provável para este paciente?
A anemia por deficiência de ferro caracteriza-se por ser:
Compartilhar