Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Em consulta pré-natal, o obstetra solicita a paciente com idade gestacional de 36 semanas e diagnóstico de doença hipertensiva específica de gestação, o exame de cardiotocografia basal para análise da vitalidade fetal. Com base nos parâmetros analisados do exame, o feto foi classificado como ativo. Esses parâmetros, que constituem o índice cardiotocográfico, são:

A
movimentos fetais, movimentos respiratórios e acelerações transitórias.
B
tônus fetal, volume do líquido amniótico e frequência cardíaca.
C
desacelerações periódicas, movimentos fetais, variabilidade e tônus fetal.
D
linha de base da frequência cardíaca, variabilidade, acelerações transitórias e desacelerações.
E
frequência cardíaca, movimentos respiratórios, movimentos fetais e tônus fetal.
Sr. Pedro, 82 anos, procurou seu médico de família com escoriações em mmii e hematoma em face após episódio de queda no banheiro de sua casa. Sr. Pedro vive com Dona Lourdes, 80 anos, 1 filha viúva de 56 anos e 2 netas. Veio à consulta acompanhado pela filha, ela relatou que Dona Lourdes também caíra 2 vezes no último mês. Todas as alternativas abaixo seriam contraindicações absolutas para Sr. Pedro iniciar de forma lenta e gradual um programa de atividade física, EXCETO:
Mulher, 34 anos de idade, após briga como marido, ingere cerca de 50 ml de água sanitária. Apresenta-se no PA ansiosa e agitada, porém lúcida, com queixa de dor abdominal. O atendimento de emergência não mostra alterações nos dados vitais e nos demais dados do exame físico. A melhor conduta é:
Mulher, 55 anos de idade, previamente hígida, vem com cefaleia holocraniana em peso há 3 dias. Há 12 horas começou a apresentar parestesia em hemiface à esquerda, cursando com desvio de comissura labial para a direita e apagamento do sulco nasolabial. Nega alteração de força muscular em membros. Não consegue franzir a testa nem fechar a rima palpebral à esquerda; sem outros déficits motores. A melhor conduta, no caso, é:
Considere uma paciente de 45 anos, colecistomizada há 20 anos sem problemas e que há um mês vem apresentando dor abdominal alta e icterícia progressiva. A suspeita é coledocolitíase, que foi confirmada pela USG. Em relação a este caso, assinale a alternativa CORRETA:
Compartilhar