Questões na prática

Clínica Médica

Pneumologia

Em que situação a drenagem tubular fechada em selo d'água não está indicada?

A
Empiema pleural
B
Derrame pleural tuberculoso
C
Quilotórax
D
Pneumotórax pequeno sintomático
E
Derrame pleural metastático recidivante
Menina de 2 anos, com febre alta (> 39°C), otalgia e otorreia purulenta em ouvido direito. Em uso de amoxicilina há 48 horas, houve piora do quadro com aparecimento de hiperemia e dor na região retroauricular. A conduta adequada neste caso será:
Paciente feminina, 30 anos, procurou seu médico com queixas de crises de rubor em região cervical e face e episódios diarreicos. Foi tratada sintomaticamente por 30 dias e durante o acompanhamento desenvolveu, ainda, episódios de broncoespasmo acompanhando os sintomas anteriores que persistiam, e emagrecimento de 5 kg. Foram solicitados hemograma e Rx de Tórax sem alterações em seus resultados. Evoluiu com quadro de constipação e distensão abdominal acentuada. Realizou então Rx de Abdome agudo que demonstrou alças de intestino delgado dilatadas e níveis hidroaéreos. A alternativa que contém o exame que confirma o diagnóstico mais provável da paciente é:
A causa mais comum de colelitíases em crianças não neonatos é:
Mulher, 35 anos, previamente hígida, atropelada por ônibus, é trazida à Emergência com pneumotórax à E. A drenagem é realizada com sistema em selo d’água, apresentando intenso escape aéreo. A administração de 2 litros de cristaloide aquecido não melhora as condições hemodinâmicas. Ao exame, persistem evidências de ausência de reexpansão pulmonar, confirmado por RX de controle. Estes achados levantam a hipótese de:
Compartilhar