Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Em relação ao tratamento da pré-eclâmpsia grave e/ou eclâmpsia, podemos afirmar que:

A
considerando o ritmo de diurese de pelo menos 50,0 ml/hora e dose de manutenção de 2,0 gramas/hora, os níveis plasmáticos seguros de sulfato de magnésio encontram-se na faixa de 10,0 a 15,0 mEq/L
B
supondo que após 5 minutos da instalação das doses de sulfato de magnésio (4,0g/ev + 2,0 g ev/hora) em gestante com eclâmpsia, esta apresente nova convulsão, a melhor conduta para esta situação consiste na aplicação de 10,0 mg de diazepam IM e iniciar hidantalização
C
nas situações de oligúria, o uso de diurético de alça ou expansão de volume pode trazer mais riscos que benefícios. O uso de drogas com ação vasodilatadora, como a hidralazina ou a dopamina, podem auxiliar na ampliação da diurese
D
não existem razões aceitáveis para a adoção de conduta expectante em pacientes com pré-eclâmpsia grave com idade gestacional acima de 34 semanas. Após a estabilização de quadro clínico, caso se decida pela indução do parto, pacientes que estão utilizando sulfato de magnésio necessitarão de doses superiores de misoprostol e/ou ocitocina para indução ou condução do parto
E
em pacientes com eclâmpsia, verifica-se a presença de menor relaxamento muscular. Por ocasião da cesárea, o uso de curare pode facilitar o bloqueio anestésico peridural, porém sua ação pode potencializar o efeito do sulfato de magnésio, induzindo parada respiratória
Na pré-eclâmpsia observa-se que a produção de endotelina e prostaciclina encontra-se, respectivamente:
As características hormonais da fase folicular do ciclo menstrual incluem:
Paciente masculino, 44 anos, obeso, solicita atendimento devido a dor periumbilical há mais de 24 horas, sintomas de obstrução intestinal e febre. Apresenta história de hérnia umbilical. Ao exame físico, constatam-se: Tax=38,5°C; dor; espessamento e eritema próximo à região umbilical. O diagnóstico mais provável nesse caso é:
Você está atendendo em um pronto-socorro e dá entrada um paciente de 2 anos, em coma com sinais de hipoventilação por intoxicação exógena provocada por diazepam. Responda, qual o antagonista para ser usada nesta situação?
Compartilhar