Questões na prática

Clínica Médica

Hematologia

Escolar, 8 anos, apresentou quadro súbito de epistaxe, gengivorragia e equimoses. Afebril, sem visceromegalias, petéquias e hematomas em membros inferiores. Refere quadro viral há 15 dias, tendo feito uso de paracetamol, Hemoglobina - 12g/dl, leucócitos 10.000, com diferencial normal e plaquetas - 8.000 mm³. Todas as alternativas abaixo podem ser consideradas condutas adequadas para este quadro no momento, EXCETO:

A
corticoide.
B
imuglobulina.
C
esplenectomia.
D
observação.
Um paciente de 70 anos de idade, com insuficiência hepática compensada, pesando 65 kg, foi operado de uma hérnia inguinal, sob anestesia local. O anestésico disponível é a lidocaína 2% com vasoconstritor. O paciente é monitorizado e recebe 5 mg de midrazolan para sedação. O cirurgião infiltra a região inguinal usando 20 ml do anestésico e, 5 minutos após, o paciente apresenta tremores musculares, náuseas, hipotensão, bradicardia e torna-se confuso. Qual deve ser a conduta do cirurgião?
Para a prevenção de hemorragia digestiva alta, em pacientes graves internados com impossibilidade de alimentação oral ou enteral, considerando custo-benefício, a melhor alternativa é:
Durante uma ultra-sonografia abdominal, foi detectado, em uma paciente de 45 anos, assintomática, um pólipo de vesícula biliar de 5 mm, sem cálculo biliar associado. Em relação a esse caso, o procedimento correto é a:
Paciente de 18 meses apresenta quadro de diarreia importante caracterizada por fezes sanguinolentas, vômitos, dor abdominal difusa, com duração de 10 dias, necessitando de hidratação venosa. No decurso do tratamento, os exames laboratoriais solicitados denotaram o aparecimento de anemia, hematúria, proteinúria e o paciente caminhou para um quadro de oligoanúria. Qual a sua suspeita diagnóstica?
Compartilhar