Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Pneumologia

Nefrologia

Reumatologia

Doenças Respiratórias

Escolar de 7 anos é atendido com lesões purpúricas palpáveis em ambas as pernas, coxas e nádegas, febre baixa, dor abdominal, edema de mãos e pés. É uma criança atópica, apresenta com frequência crises de rinite alérgica. Refere faringoamigdalite há cerca de duas semanas. No hemograma, discreta leucocitose, plaquetas normais. Baseada nos dados informados, qual a principal hipótese diagnóstica?

A
Meningite meningocócica.
B
Púrpura de Henoch-Schönlein.
C
Infecção pelo vírus Cocksackie.
D
Púrpura trombocitopênica idiopática.
E
Urticária.
Dorival, 68 anos, em pré-operatório de carcinoma bem diferenciado localizado no colo esquerdo. História de colonoscopia há dez anos, com remoção de pólipo de 1 cm de diâmetro. Seu irmão mais velho foi operado de câncer no colo aos 80 anos. Tem história prévia de trombose venosa profunda fêmoro-poplítea direita há 10 anos após fratura de ossos de perna e imobilização com aparelho gessado. O ecodoppler venoso recente mostra total recanalização do sistema venoso profundo direito, com discreto refluxo na veia femoral superficial. A heparina de baixo peso molecular devera ser utilizada em dose:
Anália, 58 anos, internada com febre, náusea e dor abdominal de forte intensidade em hipocôndrio direito com irradiação para o dorso há 36 horas, com piora nas últimas 12. Exame físico: FC 92bpm, FR 23 irpm, Tax 39ºC, dor abdominal intensa à palpação do hipocôndrio direito. Exames laboratoriais: leucograma: 19.000/mm3 (eosinófilos 0%, bastões 10%, segmentados 78%), bilirrubina total 1,2mg/dL, direta 0,7mg/gL, indireta 0,5mg/dL; EAS normal. Após duas semanas, Anália apresenta febre e calafrios e é reinternada. A hemocultura evidencia bacteremia por Gram negativo. O médico punciona a veia subclávia, inicia empiricamente ceftriaxona (1 g IV de 8/8h) e reposição volêmica. Não há melhora, mantendo febre e taquicardia e, 48 horas depois, o resultado da hemocultura é positivo para E.coli, sensível a ceftriaxone, cefotaxime e imipenem, e resistente a ceftazidime e aztreonam. A radiografia de tórax e o EAS são normais. A estratégia antimicrobiana adequada neste momento é:
Anália, 58 anos, internada com febre, náusea e dor abdominal de forte intensidade em hipocôndrio direito com irradiação para o dorso há 36 horas, com piora nas últimas 12. Exame físico: FC 92 bpm, FR 23 irpm, Tax 39°C, dor abdominal intensa à palpação do hipocôndrio direito. Exames laboratoriais: leucograma: 19.000/mm³ (eosinófilos 0%, bastões 10%, segmentados 78%), bilirrubina total 1,2 mg/dl, direta 0,7 mg/gL, indireta 0,5 mg/dl; EAS normal. Anália está na pós-menopausa em terapia hormonal (TH) combinada há 3 anos. Três meses após a alta, queixa-se de incontinência por urgência, nictúria e polaciúria, com prejuízo da sua qualidade de vida. O exame, indicado para confirmar a suspeita diagnóstica é:
Milton, 1 mês e 25 dias de idade, apresenta, há 24 horas, leve coriza hialina, tosse discreta, fezes líquidas amareladas (cerca de sete evacuações), febre alta que cede com paracetamol e reaparece algumas horas depois. Hoje teve várias “crises” de choro forte e está “um pouco diferente”. Recebe leite materno e fórmula láctea industrializada desde 28 dias de idade. Exame físico: peso 4.900g, T.ax 39,1 ºC, FC 144 bpm, FR 40 irpm; alterna períodos de choro intenso com apatia, irritável ao manuseio, hipertonia muscular difusa, fontanela plana levemente deprimida, elasticidade cutânea e turgor discretamente reduzidos, ausência de lágrimas, sede exacerbada, pulsos amplos e acelerados, extremidades acianóticas, ausculta cardiopulmonar, abdome e membros inferiores sem alterações. A conduta inicial inclui antitérmico e hidratação venosa com soro:
Compartilhar