Questões na prática

Clínica Médica

Reumatologia

Escolar de nove anos é levada a atendimento médico. Vem apresentando, há cerca de três semanas, dor de garganta, febre alta e prostração, tendo sido tratada apenas com antitérmicos. Há uma semana apresentou quadro de artrite de caráter migratório, acometendo tornozelos, joelhos, punhos e cotovelos. Há 48 horas iniciou o uso de ácido acetilsalicílico e hoje se encontra assintomática do ponto de vista articular, retornando à consulta porque surgiram caroços no corpo. Ao exame físico: articulações normais, ausculta cardíaca normal, nódulos indolores e móveis em algumas proeminências ósseas e topografia de alguns tendões. Exames laboratoriais: discreta leucocitose, plaquetas e série vermelha de valores normais; VHS: 50 mm na primeira hora; antiestreptolisina O(ASO):1250 U Todd. Entre os dados descritos, aquele que alerta para possível evolução para cardite é:

A
presença de nódulos.
B
ASO.
C
idade.
D
VHS.
E
hemograma.
Uma menina de 60 dias apresenta lesão assintomática que surgiu há 40 dias como mácula vinhosa e evoluiu para tumoração com crescimento progressivo. Ao exame, apresenta tumoração vinhosa e macia à palpação de 3 cm de diâmetro, localizada na região malar direita. Frente aos aspectos da história e do exame físico, o diagnóstico e a conduta são, respectivamente:
M.D.A., de sete anos, sexo masculino, tem apresentado dificuldades escolares. A professora notou que a criança tem períodos rápidos de parada das atividades, não responde quando chamado e tem olhar parado. Estes períodos são de curta duração de, no máximo, um minuto, porém se repetem várias vezes. Não refere nenhuma outra queixa e os exames clínicos e neurológicos são normais. Foi pedido um EEG e o laudo revelou atividade de espícula onda lenta 3 Hz difusa. Qual o diagnóstico para essa criança?
Na artrite reumatoide:
Paciente com 32 semanas de gestação sofreu acidente de automóvel. Estava dirigindo a 60 km/h, vinha utilizando cinto de segurança e não sofreu lesões externas. Foi atendida no pronto-socorro, onde recebeu atendimento adequado e liberada após seis horas de observação sem qualquer lesão constatada. Dois dias após, chega à maternidade com contrações uterinas regulares (2 a cada 10 minutos) e cardiotocografia reativa. Qual o diagnóstico provável?
Compartilhar