Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Feliciana tem 19 anos e reside no Rio de Janeiro. Em março deste ano, procurou atendimento médico queixando-se de febre, vômitos, mialgias, cefaleia e dor retro-orbitária. Apresentava exantema no tronco, sem outras alterações ao exame físico. Encontrava-se estável, com PA=120x80mmHg, sem manifestações hemorrágicas espontâneas. O médico que a assistiu realizou a pesquisa de hipotensão postural, que foi negativa, e a prova do laço. Esta última foi feita da seguinte maneira: com a paciente sentada, insuflou o manguito do esfigmomanômetro até 130mmHg, por cinco minutos. A seguir, desinsuflou o manguito e, num quadrado de 2,5cm por 2,5cm, contou trinta petéquias. A prova foi considerada positiva. O marido de Feliciana havia recebido diagnóstico recente de dengue. conduta indicada para Feliciana, neste momento, é:

A
expandir volemia vigorosamente com solução salina isotônica.
B
solicitar hematócrito e plaquetometria imediatamente.
C
realizar pesquisa de IgM e IgG séricas para dengue.
D
repetir a prova do laço feita de forma incorreta.
Em relação ao controle da dor, é correto afirmar:
O débito cardíaco sofre maior redução com o seguinte anestésico gasoso:
Menino com 6 anos de idade apresenta há 3 semanas crises de “desligamento” com duração de segundos. Essas crises ocorrem durante hiperventilação. O eletroencefalograma mostrou atividade generalizada do tipo 3 ciclos/segundo de ponta/onda. Assinale o tratamento medicamentoso indicado para o tratamento desse quadro clínico.
Em relação à coinfecção HIV/HBV, considere as seguintes afirmativas: 1. Indivíduos infectados pelo HIV que desenvolvem hepatite aguda pelo HBV têm risco 5 a 6 vezes maior de se tornarem portadores crônicos do HBV quando comparados a HIV negativos. 2. Apresenta replicação viral mais elevada do DNA do HBV e como consequência risco de desenvolver doença crônica hepática grave. 3. A taxa de resistência à lamivudina é estimada em 15% a 30% ao ano e tem sido associada ao uso prolongado dessa droga. 4. Os inibidores de protease e inibidores de transcriptase reversa não nucleosídeos não estão associados a uma maior hepatoxicidade nesses pacientes. Assinale a alternativa correta.
Compartilhar