Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Neurologia

Feminina, 28 anos, consulta com queixas de desconforto abdominal intermitente, eructações frequentes com evolução de vários meses, mais recentemente tensão pré-menstrual acentuada com enxaqueca menstrual, observando cólicas abdominais frequentes, com modificação do padrão evacuatório (urgência, disquesia retal) e modificação da forma e consistência das fezes (amolecidas, por vezes em “fitas”.) Em consultas recentes, recebeu diagnósticos dispares. Infeliz no casamento, com anorgasmia, dispareunia e surtos de proctalgia fugaz. Ao exame clínico: ansiosa, desconfiada, eutrofica, extremidades frias e sudoréticas, dispneia suspirosa. Dados vitais normais. No exame segmentar do abdome: distensão e dolorimento difuso, mais acentuado em FID-Borborigmo audível. Exame retal: plicomas - hipertonia esficteriana. O seu diagnóstico presuntivo seria:

A
Distúrbio de somatização.
B
Síndrome do intestino irritável - hipertônico.
C
Endometriose.
D
Proctocolite idiopatica
E
Doença diverticular.
Na infecção conjuntival pelo adenovírus:
Você está de plantão e é chamado para avaliar uma paciente de 77 anos traqueostomizada há 45 dias, com sangramento importante pela cânula (500 ml). Entre as alternativas abaixo, qual a mais correta a ser realizada?
São medicações de primeira linha no tratamento medicamentoso de um paciente tabagista:
Lactente de 10 meses iniciou quadro de diarreia aquosa sem sangue, muco ou pus há 4 dias, sem vômitos ou febre. Nas últimas 24 horas apresentou piora clínica com quadro de choro intenso. Há 4 horas cursou com irritabilidade, vômitos recorrentes, distensão abdominal importante, eliminação de fezes pastosas, em pequena quantidade, associado à presença de muco e sangue vivo. Qual é o diagnóstico mais provável?
Compartilhar