Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Francisca Ribeiro, 26 anos, procurou a Unidade Básica de Saúde queixando­-se de febre alta, de início abrupto há três dias, com cefaleia intensa, mal­-estar, dor retro­-orbitária, náuseas, vômitos ocasionais e dois episódios de evacuações líquidas. Paciente na 29ª semana de gestação, sem sangramento por via vaginal. Durante a avaliação diagnóstica, o médico realizou o seguinte exame: com a paciente deitada, insuflou o manguito do esfigmomanômetro até 150mmHg por três minutos. A seguir, desinsuflou o manguito e, num quadrado de 2,5cm por 2,5cm, não observou nenhuma petéquia. Marque a opção ERRADA:

A
São diagnósticos concordantes com quadro clínico: dengue, influenza, infecção do trato digestivo e meningite.
B
A prova do laço, conforme realizada neste caso, foi negativa, e indica baixo risco de sangramento espontâneo.
C
Uma conduta adequada seria: prescrição de paracetamol 750mg de 6/6 horas, hidratação com soro caseiro e retorno em 48 horas para reavaliação.
D
Mesmo grávida esta paciente não requer internação hospitalar neste momento.
E
O Ministério da Saúde recomenda a adoção do  “Cartão de Identificação do Paciente com Dengue”, com dados clínicos e instrutivos.
Mulher com diabetes tipo II com controle glicêmico irregular apresenta febre há um dia associada à vermelhidão na perna. A acompanhante refere que nas últimas horas a paciente encontra-se confusa e prostrada. Exame físico: lesão eritêmato-edematosa comprometendo a perna e região distal da coxa, com calor e dor local, limites imprecisos e área arroxeada e fria ao tato na extremidade proximal da lesão. A hipótese diagnóstica e a conduta são:
A ventilação artificial por pressão controlada, em ventilação assistida-controlada, tem como variáveis de disparo, limite e ciclagem, respectivamente:
Homem de 18 anos chegou ao pronto-socorro com queixa de dor abdominal e anorexia há 2 dias, vômitos há um dia e parada de eliminação de gases e fezes há 18 horas. Exame físico: desidratado, corado, eupneico, febril (temperatura axilar de 38,8 ºC), pulmões livres, abdome distendido, doloroso à palpação profunda de fossa ilíaca direita, descompressão brusca dolorosa positiva em fossa ilíaca direita, ruídos hidroaéreos diminuídos, toque retal com ampola ampla e sem lesões ou fezes palpáveis. A conduta a ser adotada é:
Mulher de 58 anos, menopausa cirúrgica aos 48 anos por endometriose, fez uso de Terapia de Reposição Hormonal (TRH) por dois anos logo após a cirurgia. Atualmente, sem sintomas climatéricos, apresenta densitometria óssea de rotina com T-score de -2,68 desvios-padrão na coluna lombar. Faz caminhadas três vezes por semana, toma uma xícara de leite ao dia e come queijo regularmente. O diagnóstico e conduta são:
Compartilhar