Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Geraldo, 68 anos de idade, vítima de atropelamento, dá entrada em choque hipovolêmico grave que não responde a infusão de 4000ml de Ringer Lactato. É iniciada a infusão de concentrado de hemácias e levado a laparotomia exploradora. Durante a cirurgia são infundidas mais de 8 bolsas de concentrado de hemácias e o paciente continua sangrando com grande laceração hepática. O cirurgião decide então a aplicar o controle do dano. Em relação à cirurgia de controle de dano pós-traumatismo, assinale a afirmativa CORRETA:

A
A hipotermia não é levada em consideração nesse caso.
B
Sua utilização deve ocorrer apenas depois de esgotados os meios disponíveis de tratamento cirúrgico do trauma.
C
Este procedimento deve ser considerado antes que o choque hemorrágico e as alterações metabólicas se instalem de maneira progressiva.
D
Este procedimento deve ser considerado exclusivamente nos casos de síndrome de compartimento abdominal.
Paciente do sexo masculino, 67 anos, procura atendimento com queixa de astenia e dor em ombro direito que não cedeu com o uso de diversos anti-inflamatórios. Familiares relatam períodos de confusão mental. Ao exame: hipocorado ++/4+, hidratado, anictérico, com FR 32 irpm, FC 110 bpm, PA 140x90 mmHg. Os exames laboratoriais revelam: ureia: 130 mg/dl, creatinina: 3,5 mg/dl, K+: 5,0 mEq/L, Ca++: 13,0 mg/dl, P: 5,0 mg/dl, glicemia: 102 mg/dl, ácido úrico: 8,0 mg/dl, Hm: 2.780.000/mm3, Hcto: 26%, Hb: 10,0 g/dl, plaquetas: 130.000/mm3, proteínas totais: 7,8 g/dl, albumina: 3,2 g/dl, globulina: 4,6 g/dl. A causa mais provável da insuficiência renal é:
Além do comprometimento local e do aparecimento de metástases à distância, as células neoplásicas podem produzir uma serie de peptídeos que estimulam reações neurológicas, hematológicas, dermatológicas ou hormonais, originado as síndromes paraneoplásicas, dentre as quais:
A avaliação da função do tronco encefálico é essencial para localização da lesão do coma. Assinale a alternativa INCORRETA:
Paciente do sexo feminino, 32 anos de idade, previamente hígida, não tabagista, queixa-se de tosse seca irritativa há oito semanas e dispneia a grandes esforços. Internada por ter apresentado um episódio leve e único de hemoptise. A radiografia de tórax mostrou pulmão branco unilateral com a traqueia desviada para o mesmo lado. Qual a hipótese diagnostica inicial mais provável?
Compartilhar