Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Gestante de 30 anos, GII PI AI, Rh negativo, durante o pré-natal apresentou um teste de Coombs indireto com titulação de 1/16. A conduta, nesse caso, deverá ser:

A
realizar teste de Coombs indireto mensalmente e, permanecendo o título de 1/16, continuar controle pré-natal de rotina.
B
prescrever imunoglobulina anti-D na dosagem de 300 microgramas imediatamente e repetir na 28ª semana de gestação.
C
realizar amniocentese em torno de 20 semanas para estudo espectrofotométrico e acompanhamento de acordo com a tabela de Liley modificada por Robertson.
D
manter controle ultrassonográfico mensal e interrupção da gestação em torno da 37ª semana.
E
realizar amniocentese de 4 em 4 semana após 20 semanas para estudo espectofotométrico.
Paciente portador de cirrose hepática é atendido no PS do HCPM apresentando torpor e desorientação, iniciado após gastroenterite. Ao exame físico encontra-se febril, desidratado, com “flapping”. O abdome apresenta ascite volumosa e encontra-se doloroso à palpação, sem sinais de irritação peritoneal. Dentre as medidas abaixo, NÃO SE RECOMENDA:
Paciente é admitida na 35ª semana de gestação em estado pós comissial por provável quadro de eclampsia. Realizado cateterismo vesical e observou-se que a paciente encontrava-se em anúria. PA= 200/120 mmHg, BCF =124 e colo uterino fechado. A melhor conduta no momento é:
Os guidelines para acompanhamento de lesões precursoras do carcinoma de colo uterino, já citam situações em que a pesquisa para o DNA-HPV teria uma boa indicação no seguimento e diagnóstico de pacientes especificas. Das pacientes abaixo, qual NÃO se beneficiaria da pesquisa de DNA-HPV?
Em relação a alimentação no primeiro ano de vida, podemos afirmar:
Compartilhar