Questões na prática

Clínica Médica

Ginecologia e Obstetrícia

Pediatria

Endocrinologia

Obstetrícia

Reumatologia

Gestante de 30 anos procura o pré-natal de alto risco devido a abortos de repetição. Idade gestacional de cinco semanas. Gesta=VI; Para=I; Aborto=IV. Refere que o seu único parto foi prematuro devido à pré-eclampsia e que, durante aquela gestação, apresentou oligodramnia. Seus abortos foram todos espontâneos em torno da 8ª semana de gestação. Possui passado de trombose venosa profunda. Com base na história obstétrica e patológica pregressa podemos afirmar que:

A
A paciente apresenta insuficiência istmo-cervical.
B
A paciente deve ser investigada para síndrome de anticorpos antifosfolipídeos.
C
A paciente pode ser acompanhada no pré-natal de baixo risco.
D
A paciente tem risco diminuído nesta gestação para desenvolver doença hipertensiva específica da gestação.
E
O uso de aspirina e heparina associados neste quadro traz mais malefícios que benefícios ao feto.
São características do Recém nascido filho de mãe diabética, exceto:
Juliana, 22 anos, solteira, procurou seu médico de família com o exame HCG positivo no dia 10 de outubro de 2008. Relatou que a data de sua última menstruação foi em 25/7/2008. Juliana é mãe de Davi, fruto de um relacionamento passado com Pedro. Vive com sua mãe (Dona Dora), seu pai (Sr. Francisco Eugênio) e três irmãs mais jovens solteiras. Estudou até a sétima série, tendo abandonado os estudos para trabalhar em “casa de família”. Relata que a vida em casa está difícil, pois Sr. Francisco é etilista pesado e, apesar de haver períodos raros em que a dinâmica familiar é satisfatória e competente, aqueles disfuncionais e insatisfatórios tendem a prevalecer. Qual a data provável do parto de Juliana?
A síndrome hipertensiva está entre as causas mais frequentes de óbito materno. É uma das atribuições da Estratégia de Saúde da Família reduzir a morbimortalidade materno-infantil. Com relação às síndromes hipertensivas na gestação, assinale a alternativa INCORRETA:
Em relação à abordagem clínica do tabagismo, uma intervenção breve, como simplesmente alertar o fumante, produz taxas de cessação por ano de:
Compartilhar