Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Gestante obesa e sedentária está na 16ª semana. Apresenta ganho excessivo de peso, com antecedente de macrossomia e diabete em gestações anteriores. A prática de exercício físico, neste caso, é: I. indicada para favorecer o adequado metabolismo materno. II. contra-indicada pelo risco gestacional. III. indicada para prevenir o crescimento fetal exagerado. IV. contra-indicada pelo sedentarismo e pela idade gestacional. Está correto o contido apenas em:

A
I, II e III.
B
I e III.
C
II e IV.
D
IV.
E
I e V.
Heloísa, 24 anos, gesta III, para 0, aborto II (duas perdas fetais no 2º trimestre), atualmente na 34ª semana de gestação, procura a emergência com cólica, dores em membros inferiores e perda líquida há duas horas, sem sangramento. No exame obstétrico inicial, observa-se líquido amniótico claro e sem grumos saindo pela vagina. Nos membros inferiores nota-se trombose venosa profunda (TVP). Em relação à laqueadura tubária e aconselhamento de esterilização voluntária, pode-se dizer que:
Tereza, 19 anos, primigesta, inicia pré-natal na 25ª semana de gestação. Faz exames: grupo sanguíneo O Rh negativo, Du negativo, Coombs indireto: 1:16. Relata febre, astenia e discreto exantema generalizado em torno da 10ª semana de gestação, que involuíram espontaneamente. Não procurou atendimento médico à época. Diante do resultado do teste de Coombs indireto, a propedêutica mais indicada é:
Tereza, 19 anos, primigesta, inicia pré-natal na 25ª semana de gestação. Faz exames: grupo sanguíneo O Rh negativo, Du negativo, Coombs indireto: 1:16. Relata febre, astenia e discreto exantema generalizado em torno da 10ª semana de gestação, que involuíram espontaneamente. Não procurou atendimento médico à época. Como Tereza iniciou o pré-natal tardiamente, perdeu-se a oportunidade de realizar ultrassonografia transvaginal para avaliação de marcadores não invasivos biofísicos de doenças cromossomiais do feto. Com 35 semanas de gravidez procura o médico com cefaleia escotomas e PA 150x100 mmHg. A melhor conduta é fazer sulfato de magnésio é:
Carolina, 75 anos, obesa, mora em casa geriátrica. É trazida à Emergência por sua filha com diarreia e letargia. Estava bem até quatro dias quando iniciou diarreia líquida, que não melhorou com loperamida e evoluiu com sangue em 24 horas. Duas senhoras da casa geriátrica apresentaram quadro semelhante. Nega uso de medicamentos. Exame físico: sonolenta, desidratada e somente identifica a filha, hipocorada ( 3+/4), ictérica (+/4), fraqueza nos membros. Abdome depressível e doloroso difusamente, com peristalse aumentada. O exame neurológico não mostra alterações focais. Exames laboratoriais hematócrito 25%; plaquetas 67.000/mm³; glicose 700 mg/dl; ureia 60 mg/dl I, creatinina 3,5 mg/dl I, K+ 4,0 mEq/L, Na 128 mEq/I, bilirrubinas totais 3mg/dl, bilirrubina indireta 2.0 mg/dl. Exame de fezes: sangue e leucócitos. O distúrbio hidroeletrolítico e metabólico deve ser corrigido com:
Compartilhar