Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Homem, 28 anos, sofreu trauma abdominal em acidente automobilístico. Foi levado à cirurgia onde constatou-se lesão extensa do lobo direito do fígado, lesão do baço e hematoma retroperitonial. Foram suturadas as lesões e não se interviu no hematoma retroperitonial. Foram necessárias várias transfusões sanguíneas e de solução salina para estabilização hemodinâmica no transoperatório. A parede abdominal foi suturada por planos, com certa dificuldade porque havia resistência à referida sutura. O paciente recuperou-se bem da cirurgia, porém, no pós-operatório imediato, apresentou distensão abdominal, oligúria e dificuldade respiratória. Foi colocado um cateter na bexiga e a pressão intravesical foi de 30 mmHg. A pressão arterial era de 90 mmHg. A conduta é:

A
Reabrir a parede abdominal e deixar uma laparostomia.
B
Realizar traqueostomia.
C
Repor a volemia com sangue.
D
Inserir cateter de Swan Ganz.
E
Nenhuma das respostas acima.
Uma senhora de 48 anos, portadora de infecção urinária há 1 ano, vem à consulta médica portando um RX de abdome onde se evidencia um cálculo medindo 3 cm, com baixa densidade e formato da pelve e cálices renais, em topografia de rim direito. A urinálise apresenta pH 7 e piúria e a urocultura apresenta Proteus mirabilis. Qual a hipótese mais provável para a composição da urolitíase?
Paciente com quadro de choque séptico, refratário a líquidos e resistente a dopamina, apresenta-se com pulsos amplos, taquicardia, extremidades quentes e hiperemiadas, deve ser tratado preferencialmente com:
Mulher, 58 anos, há seis meses apresentou três episódios de sinusite. Há uma semana surgiram lesões eritematosas, algumas delas evoluindo para úlceras, um edema periorbital, febre e tosse. Investigação complementar revela creatinina de 4,2; radiografia de tórax com infiltrado intersticial, radiografia de seios da face com uma pansinusite. A principal hipótese diagnóstica é:
Gabriel, 30 anos, procura a Unidade de Saúde da Família com queixa de hiperemia conjuntival, dor ocular, náuseas e cefaleia. Ao exame nota-se injeção ciliar, edema de córnea, pupila em discreta midríase paralítica. Qual o diagnóstico de Gabriel?
Compartilhar