Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Dermatologia

Dermatologia

Homem, 29 anos, apresentou quadro agudo de febre, nódulos, eritematosos, alguns ulcerados em membros superiores, dores articulares, adenomegalia diagnósticas generalizada, hepato-esplenomegalia e edema de mãos e pés. Quais são as suspeitas desse quadro clínico?

A
Hanseníase virshowiania e escarlatina
B
Eritema nodoso hansênico e reação medicamentosa
C
Sífilis secundária e hanseníase reacional
D
Mononucleose e vasculite infecciosa
E
farmacodermia e escarlatina
Assinale a opção incorreta no que se refere à hemoglobinúria paroxística noturna (HPN):
A ruptura espontânea do esôfago, descrita pela primeira vez em 1724, é causada por aumento súbito na pressão intra-abdominal e em geral é secundária a vômitos em cerca de 80% dos casos. Pode-se diagnosticar como: (COELHO, J. C. U. Aparelho digestivo: clinica e cirurgia, 1996)
Gestante de 24 anos, com 32 semanas de gestação é trazida a emergência pelo CBERJ com relato de desmaio e crise nervosa em via pública. Ao exame apresenta-se torporosa, pupilas isocóricas e fotorreagentes. Sem sinais de irritação meníngea. PA: 180x120 mmHg, fundo uterino de 32 cm, metrossístoles ausentes, tônus uterino normal, movimento fetal presente, BCF 137 sem desacelerações. Toque colo fechado. Feito cardiotocografia com laudo de feto ativo. A melhor conduta neste caso é:
Antonio Carlos, 35 anos, tem cirurgia eletiva programada devido a otoesclerose estapediana (estapedectomia). Mãe com diabetes tipo II e pai saudável. Exame físico: peso 91 kg, altura 1,80 m e circunferência abdominal 106 cm. PA 140 x 80 mmHg; PR 90 bpm. Aparelhos cardiovascular e respiratório sem alterações. Hérnia em região inguinocrural à direita, diagnosticada há cerca de 5 anos, assintomática. Exames: hemácias 4.980.000/mm³, Hb 15 g/dL, Ht 45,4%, leucócitos 5500/mm³, plaquetas 320.000/mm ³, TAP 100%, INR 1,0; glicemia 114 mg/dL, creatinina 1,3 mg/dL, (clearance creat 102 ml/min), ácido úrico 8,3 mg/dL, Na 140 mEq/l, K 4,7 mEq/l; triglicerídeos 160 mg/dL, HDL 35 mg/dL, LDL 136 mg/dL; microalbuminúria 100 mg/24h. Níveis elevados de ácido úrico estão associados a obesidade, dislipidemia, hipertensão arterial sistêmica e diabetes. Um estudo, no qual 9.125 trabalhadores foram acompanhados por 23 anos, investigou a associação entre ácido úrico elevado e risco para doença coronariana. Os indivíduos com uricemia mais elevada tiveram risco maior de morrer por doença cardiovascular do que aqueles com ácido úrico mais baixo, sendo o risco relativo = 1,29 e IC 95% 1,05 - 1,58. Com relação à função renal, pode-se afirmar que:
Compartilhar