Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Homem, 40 anos, portador de diabetes tipo 2 e dislipidemia mista, é encaminhado pelo endocrinologista para avaliação de risco cardiovascular. Ao exame físico, apresenta PA: 150x110 mmHg, FC: 58 bpm. Bulhas cardíacas regulares em 2 tempos sem sopros. Ausculta respiratória sem ruídos adventícios. Pulsos simétricos bilaterais. Qual o estágio da PA, segundo a V Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial? Qual seu risco cardiovascular? Quais drogas anti-hipertensivas estariam indicadas para o tratamento?

A
Estágio 1 da hipertensão arterial; risco cardiovascular baixo; bloqueador dos canais de cálcio.
B
Estágio 2 da hipertensão arterial; risco cardiovascular baixo; beta-bloqueador e diurético.
C
Estágio 3 da hipertensão arterial; risco cardiovascular muito alto; inibidor da ECA e bloqueador dos canais de cálcio.
D
Estágio 2 da hipertensão arterial; risco cardiovascular alto; beta-bloqueador e vasodilatador direto.
E
Estágio 3 da hipertensão arterial; risco cardiovascular alto; diurético
Em relação ao diagnóstico da tuberculose, assinale a alternativa INCORRETA.
Sobre os principais achados da anamnese e do exame físico que sugerem fraturas, analise as assertativas abaixo: I. Piora aguda da dor e dor bem localizada à palpação. II. Incapacidade funcional aguda e edema ou equimose local. III. Perda da mobilidade do membro e déficit neurológico e/ou vascular associado. Quais estão corretas?
Em idosos, a lesão valvar mais frequente e a sua etiologia principal são, respectivamente:
Paciente masculino, 10 anos de idade, pesando 32 quilos, soropositivo para HIV de transmissão vertical, apresenta diagnóstico de linfoma abdominal não Hodgkin há 1 semana. Fez quimioterapia há 4 dias. Hoje está hipoativo, hipotenso, desidratado, em anasarca, descorado e referindo dor lombar à direita de forte intensidade. Tem diurese de 8 ml/hora; ureia de 205; creatinina de 4,8; potássio de 6,1; cálcio de 8,2; ácido úrico urinário de 0,75 mg/dl; e gasometria com acidose metabólica. Acerca desse caso, qual é o diagnóstico MAIS provável?
Compartilhar