Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Homem, 60 anos, diabete melito tipo 2, hipertenso de longa duração, fumante com baixa adesão ao tratamento anti-hipertensivo . É atendido na emergência com PA = 250 x 150 mmHg, cefaleia intensa, visão borrada, vômitos e crise convulsiva. Fundo de olho evidencia edema de papila. Em relação ao diagnóstico e conduta, é correto afirmar que se trata de

A
crise hipertensiva, devendo o paciente ser tratado com metoprolol, hidralazina e diurético, trazendo os níveis de tensão arterial para a faixa de normalidade.
B
emergência hipertensiva; imediatamente usar hidralazina endovenosa, objetivando trazer os níveis de tensão arterial para baixo de 120 x 80 mmHg.
C
crise hipertensiva; de imediato usar metoprolol endovenoso e manter tensão arterial em níveis abaixo de 130 x 80 mmHg.
D
emergência hipertensiva; de imediato usar nitropussiato de sódio, iniciando simultaneamente esquema anti-hipertensivo via oral para desmame precoce do nitroprussiato, evitar hipotensão, mantendo níveis de tensão arterial em torno de 140 x 90 mmHg.
E
emergência hipertensiva; de imediato usar nitropussiato de sódio e, se possível, mantê-lo por vários dias, só iniciando esquema anti-hipertensivo oral, tardiamente, após normalização da tensão arterial com o nitroprussiato de sódio.
A cripta de Lieberkuhn:
Com relação a acalasia é correto afirmar:
Na obstrução intestinal colônica com válvula ileocecal competente encontramos, exceto:
Paciente de 42 anos GII PII realiza conização com diagnóstico histopatológico de Adenocarcinoma de colo uterino in situ com margens cirúrgicas livres. A melhor conduta terapêutica é:
Compartilhar