Questões na prática

Clínica Médica

Cirurgia

Infectologia

Pneumologia

Cirurgia Geral

Homem, 68 anos, vem à emergência com quadro abdominal agudo, de início há 12 horas. Cardiopata isquêmico e DPOC grau II. Ao exame físico, constata-se que se trata de paciente obeso, com evidências óbvias de peritonite difusa. Apresenta leucocitose com desvio à esquerda, e o RX simples de abdome mostra pneumoperitônio. O diagnóstico pré-operatório é de peritonite difusa por víscera oca perfurada, possivelmente por diverticulite aguda perfurada. Em relação à conduta antibiótica no caso, analise as alternativas abaixo. I - O esquema antibiótico deve incluir, obrigatoriamente, cobertura para aeróbios gram-negativos, gram-positivos e anaeróbios. II - A coleta e exame cultural de material purulento da cavidade são indispensáveis para a definição do tratamento. III - Monoterapia com droga que cubra gram-negativos e anaeróbios pode ser alternativa à associação de antibióticos. Qual a alternativa correta?

A
Apenas I.
B
Apenas II.
C
Apenas III.
D
Apenas I e III.
E
Apenas II e III.
São cardiopatias cianóticas com hipofluxo pulmonar, exceto:
Anorexia com emagrecimento é o sinal mais comum de câncer gástrico, pois os pacientes geralmente evoluem assintomáticos até que haja extenso comprometimento da parede gástrica ou metástases. A semeadura peritoneal pode comprometer outros órgãos e regiões. O tumor de Krukenberg e prateleira de Bloomer são respectivamente:
Paciente masculino, 68 anos, apresenta episódios intermitentes de enterorragia misturada com as fezes. Há dois meses refere desconforto abdominal, nega puxo e tenesmo. Quais as hipóteses diagnósticas mais prováveis a investigar?
Em relação às cardiopatias congênitas, são apresentadas as assertivas a seguir: I. A comunicação interventricular é a cardiopatia congênita acianótica mais prevalente. II. Pais portadores de cardiopatia congênita têm risco maior que a população geral de terem filhos com malformação cardíaca. III. No caso de pais hígidos e um filho com cardiopatia congênita, não existe risco aumentado de ocorrência de malformação cardíaca em próximas gestações. Qual é a alternativa correta?
Compartilhar