Questões na prática

Otorrinolaringologia

Homem, com 45 anos de idade, hipertenso em uso de hidroclorotiazida 50 mg/dia, dá entrada em Pronto-Socorro com epistaxe grave à esquerda. Ao exame: pressão arterial de 16X11 mmHg, com sangramento ativo posterior de fossa nasal esquerda. Realizado tamponamento Antero-posterior (TAP) com sonda Foley à esquerda com sucesso. Controle da pressão foi obitido com captopril sublingual. Qual a MELHOR conduta?

A
Internação e ligadura da artéria esfenopalatina assim que possível.
B
Internação e manutenção do TAP por 48 a 72h, com posterior retirada em centro-cirúrgico sob anestesia geral.
C
Trocar o TAP por tampão anterior, já que a pressão arterial, principal fator etiológico, está controlada, e o TAP está associado a complicações graves.
D
Internação para troca do TAP de Foley por TAP com gaze ancorada, em centro-cirúrgico, pois o TAP de Foley perde a efetividade com o passar do tempo, devido à perda de pressão do balão.
E
Manutenção do TAP por, no mínimo, 72h, em regime ambulatorial.
Mulher, 72 anos de idade, apresenta há três semanas, febre baixa, fadiga, anorexia, cefaleia temporal direita intensa e dificuldade para a mastigação. Ao exame, observou-se hipersensibilidade e dor à palpação na região temporal. Qual é a conduta?
Homem, 55 anos de idade, desenvolveu vermelhidão cutânea generalizada e tontura 10 minutos após ter sido ferroado por abelha. Ele chegou ao pronto-socorro 20 minutos depois, com temperatura de 36,9°C. FC=110 bpm, FR=30 ipm, PA=105 x 40 mmHg. Os pulmões estão limpos e não apresenta sopros ou ritmo de galope. ECG mostra taquicardia sinusal. Não usa medicações. Com relação ao paciente descrito, pode-se afirmar que:
A transformação maligna de uma cicatriz de queimadura de pele denomina-se:
Paciente 60 anos, em 16º dia pós-quimioterapia por linfoma não Hogdkin, dá entrada em PS com queixa de febre de 38,4ºC, sem outras queixas. Ao exame encontra-se em REG, corado, hidratado. P = 110 bpm, PA = 90 x 60 mmHg. Demais exame físico sem alterações. Hemograma com 500 leucócitos, radiografia de tórax e urina I sem alterações. Qual a sua conduta?
Compartilhar