Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Homem de 18 anos sofreu ferimento por arma de fogo na região torácica, com grande perda sanguínea. Chegou ao pronto-socorro em franco estado de choque hipovolêmico, onde recebeu rápida infusão de solução cristaloide. Havia indicação precisa para administração de concentrado de hemácias e toracotomia de urgência. Que conduta imediata tomar em relação à hemotransfusão?

A
Realizar tipagem e teste de compatibilidade e administrar hemoconcentrados compatíveis com o sangue do paciente.
B
Administrar concentrados de hemácia do tipo O Rh-negativo e encaminhar amostra de sangue para tipagem.
C
Administrar concentrados de hemácia do tipo A Rh-positivo, por ser o tipo de sangue mais frequente em nossa população.
D
Coletar amostra sanguínea para dosagem de hematócrito e hemoglobina antes da transfusão.
E
Realizar tipagem e teste de compatibilidade, estabilizando o paciente com expansores plasmáticos.
Crianças com fibrose cística necessitam, em seu tratamento, de vários cuidados, EXCETO:
Mulher, 56 anos, assintomática até então, quando há sete dias apresentou confirmada trombose venosa profunda (TVP) de membro inferior direito. Antecedente de TVP no puerpério imediato da segunda gestação, aos 23 anos. Nega antecedentes familiares dignos de nota. Exame físico evidenciando edema ++/4+ bilateral de membros inferiores, assimétrico e mais acentuado à direita com sinal da bandeira e Homans positivo à direita. LABORATÓRIO: Creatinina = 0,9 mg/dL (0,6-1,2) e Ureia = 20 mg/dL (20-40) Exame de urina: Proteínas: ++/4+; Cetona e sangue ausente Sedimento urinário = Hemácias: 4 000/mL e Leucócitos: 2 000/mL Hemograma sem alterações dignas de nota. Baseado nas informações, assinale a alternativa correta, em relação ao seu primeiro passo diagnóstico, após a instituição da anticoagulação.
Em relação à interpretação do hemograma, assinale a alternativa correta quanto ao próximo exame a ser solicitado na investigação deste paciente. Hemograma: Hemácias (milhões/mm3): 1 600 000/mm³ (4,5 – 6,0) Htc (%) = 20 (42-54), Hb (g/dL) = 5,8 (13-17) HCM (pg) = 36 (27-32), CHCM(g/dL) = 29 (33-37), VCM (mm³) = 125 (80-98) Reticulócitos: diminuídos Leucócitos (por mm3): 3 000/mm³ (3 800 – 11 000) B = 4%, S = 66%, E = 4%, Ba = 0, L = 20%, M = 6% Núcleo dos Neutrófilos hipersegmentados Macrocitose +++ Poiquilocitose +++ Plaquetas (por mm3): 110 000 (150-400) Bilirrubinas: BT: 2,3 mg% BI: 1,7 mg%
Paciente masculino, 62 anos, tabagista e tossidor crônico, apresenta há três dias aumento da secreção pulmonar, que se apresenta espessa e amarelada, febre alta, chiado e dispneia. Ao exame, apresenta-se em mau estado geral, taquipneico, T = 38 ºC, cianose de extremidades ++/4; Extremidades quentes, FC = 114 bat/min; PA = 9 x 6 mmHg. Aparelho Respiratório: Estertores creptantes em bases, roncos e sibilos. Aparelho Cardiovascular: BRNF sem sopros. MMII: Sem edemas. Gasometria arterial em ar ambiente: pH = 7,22; pCO2 = 38 mmHg; pO2 = 68 mmHg; Sat O2 = 82%; HCO3 = 10 mEq/L e BE = –10 mEq/L Em relação à gasometria, pode-se afirmar:
Compartilhar