Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Homem de 20 de idade, há uma semana com febre, mal-estar, fadiga e dor de garganta. Ao exame, a faringe estava hiperemiada sem exsudato. Adenopatia cervical posterior. Hepatimetria de 12 cm e esplenomegalia. Exames complementares: leucócitos 12.000, linfocitose e linfócitos atípicos, bilirrubina total de 2 mg/dl, AST e ALT de 70 UI/I. Anticorpo heterófilo positivo. Tinha sido medicado com ampicilina e desenvolvido erupção maculo-papular pruriginosa. O diagnóstico mais provável é:

A
hepatite A.
B
linfoma.
C
toxoplasmose.
D
mononucleose infecciosa.
E
citomegalovírus.
A maioria dos incidentalomas adrenais são:
Pré-escolar, 3 anos e 6 meses, é levado ao ambulatório com história de febre há 3 semanas associada à dor intensa em membro inferior direito, sem relato de trauma local. Ao exame físico, apresenta palidez cutâneo-mucosa, linfonodomegalia cervical indolor medindo cerca de 2 cm e esplenomegalia. O hemograma revelou anemia, leucopenia e plaquetopenia. A principal hipótese diagnóstica, neste caso, é:
De acordo com as orientações do Ministério da Saúde-Brasil para manejo de crianças nascidas vivas de mães infectadas pelo HIV é correto afirmar que:
Homem, com 45 anos de idade, hipertenso em uso de hidroclorotiazida 50 mg/dia, dá entrada em Pronto-Socorro com epistaxe grave à esquerda. Ao exame: pressão arterial de 16X11 mmHg, com sangramento ativo posterior de fossa nasal esquerda. Realizado tamponamento Antero-posterior (TAP) com sonda Foley à esquerda com sucesso. Controle da pressão foi obitido com captopril sublingual. Qual a MELHOR conduta?
Compartilhar