Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Homem de 27 anos, vítima de queda de moto e resgatado por Unidade Avançada de Vida, do Corpo de Bombeiros, deu entrada na sala de emergência com via aérea definitiva estabelecida, e com diagnóstico de trauma de crânio grave. É correto afirmar que:

A
na ausência de trauma torácico grave e presença de instabilidade hemodinâmica o doente deve ser encaminhado rapidamente para realizar TC de crânio e posteriormente encaminhado ao centro cirúrgico para realizar laparotomia exploradora.
B
na presença de estabilidade hemodinâmica, o lavado peritoneal diagnóstico é contraindicado, sendo a tomografia computadorizada do abdome o método diagnóstico correto para determinar lesão intracavitária.
C
na presença de instabilidade hemodinâmica e suspeita de trauma abdominal contuso associado, o doente deve ser encaminhado ao centro cirúrgico para realizar laparotomia exploradora, devendo ainda ser acionada a equipe de neurocirurgia para avaliação e possível trepanação exploradora no ambiente cirúrgico.
D
na presença de normalidade hemodinâmica e após realizar diagnóstico de lesão hepática por tomografia computadorizada de abdome, a melhor conduta após avaliação e condução da equipe de neurocirurgia é o tratamento não operatório com internação do doente em UTI.
E
independente do quadro hemodinâmico o doente deve ser encaminhado para realizar tomografia computadorizada de abdome com triplo contraste a fim de determinar o diagnóstico e estabelecer melhor conduta posterior.
Os pacientes com síndrome de Down apresentam em torno de 50% de associação da síndrome com cardiopatias congênitas. Dos casos que apresentam essa associação, qual é a cardiopata mais frequente?
Após uma cirurgia de emergência para tratamento de ruptura de aneurisma de aorta abdominal, no terceiro dia de pós-operatório o paciente queixa-se de dor de forte intensidade em flanco esquerdo e apresenta diarréia mucosanguinolenta.. O diagnóstico mais provável é:
Um paciente de 44 anos, com antecedentes de arritmia cardíaca, foi submetido a uma troca de válvula mitral durante a manhã e, na madrugada, apresenta intensa dor e incapacidade para realizar a dorsoflexão dos dedos do pé direito, além de cianose. O tratamento com analgésico e aquecimento do membro inferior foi ineficaz. O diagnóstico mais provável é:
Um professor de 44 anos de idade queixa-se de sensação de dor em queimação há cerca de 2 anos, na perna esquerda, com acentuação vespertina e cãibras noturnas. O exame físico do membro inferior esquerdo mostrou edema 3+ em 4+, hiperpigmentação em terço inferior da perna, microvarizes em região maleolar esquerda. Ele informa que há três anos sofreu acidente de moto que resultou em fratura da fíbula esquerda. Para esse paciente, o diagnóstico atual é:
Compartilhar