Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Homem de 29 anos de idade, agricultor, admitido no HCTCO com cefaleia, prostração, mal-estar, febre, calafrios, náuseas, mialgias intensas nas panturrilhas há 4 dias. Evoluiu há 2 dias com diminuição do volume urinário e icterícia. Informa a ocorrência de uma enchente no seu bairro uma semana antes do inicio dos sintomas. Ao exame físico apresentava-se T. axilar de 39°, icterícia rubínica (3+/4+), sufusões hemorrágicas nas conjuntivas e petéquias nos membros superiores. Baseado na hipótese diagnóstica mais provável dos exames laboratoriais abaixo, qual NÃO seria o achado esperado?

A
K+ de 3,0m Eq/l.
B
Plaquetas de 49.000.
C
Creatinina de 6,2 mg/100ml.
D
CPK 212 U/l.
E
Bilirrubina direta de 5 mg % e indireta de 12 mg%.
Baseado nos novos critérios do SOFA, qual exame abaixo NÃO seria necessário numa fase inicial para o diagnóstico de sepse?
Homem de 65 anos de idade, tabagista e hipertenso, apresentou quadro de hematúria macroscópica. Fez ultrassonografia das vias urinárias que mostrou lesão vegetante de 2 centímetros em parede lateral direita. Foi submetido à ressecção endoscópica (RTU) do tumor que revelou ser carcinoma urotelial de alto grau infiltrando o córion. Foi submetido à re-RTU e o resultado foi ausência de tumor. Qual é a MELHOR conduta?
Homem de 42 anos de idade chegou ao Pronto-socorro com quadro de intoxicação exógena, apresentando tremores, taquicardia, confusão mental e midríase. Abdome com ruídos hidroaéreos diminuídos e retenção urinária. A pele encontrava-se seca, quente e bem avermelhada. A pupila encontrava-se bem dilatada à mínima exposição à luz. Qual é o agente MAIS provavelmente relacionado a essa intoxicação?
Paciente de 30 anos de idade foi trazido ao pronto-socorro após acidente automobilístico. O mecanismo do trauma foi esmagamento da região perineal no tanque da motocicleta, sem outros traumas (membros, craniano, tórax ou abdome). Após avaliação inicial, o paciente apresentou impossibilidade de urinar e o raio X não evidenciou fratura de bacia. Qual a hipótese diagnóstica e a conduta?
Compartilhar