Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Homem de 40 anos com queixa de pirose traz uma endoscopia que revelou esôfago de Barrett longo. O exame histopatológico confirma esôfago de Barrett sem displasia. A melhor conduta a seguir é:

A
Observação.
B
Inibidor de bomba de prótons.
C
Válvula antirrefluxo.
D
Ablação a Laser.
E
Ressecção.
Uma paciente, com 25 anos de idade, há três dias apresenta febre, cefaleia intensa retro-orbital, mialgia e exantema cutâneo morbiliforme. Há oito dias retornou de Fortaleza e há um dia começou a apresentar petéquias, epistaxe e teste do torniquete positivo. Sua pressão arterial é de 120/70 mmHg e sua pulsação, de 80 bpm, a temperatura é de 36,7ºC. Os exames laboratoriais mostraram plaquetas de 80.000, leucopenia, tempos de protrombina e tromboplastina parcial normais e sorologia para dengue (IgM) positiva. Esse quadro caracteriza diagnóstico de:
O clínico geral solicitou para um arquiteto de 40 anos de idade, com queixa de cefaleia intermitente, um exame de ressonância magnética que mostrou um cisto coloide no terceiro ventrículo. A complicação mais comum dessa lesão é:
A respeito da avaliação do abdome de pacientes com trauma abdominal contuso e instabilidade hemodinâmica, são apresentadas as afirmativas abaixo. I- A realização de lavado peritoneal é contraindicada em gestantes com suspeita de lesão diafragmática. II- A ecografia abdominal tem sensibilidade diminuída na presença de enfisema subcutâneo e em obesos. III- A tomografia computadorizada é o exame que apresenta maior especificidade, devendo ser utilizado na suspeita de lesão visceral. Qual é a alternativa correta?
Paciente submetida a gastrectomia a DII devido adenocarcinoma gástrico evoluiu no pós-operatório com trombose venosa profunda de membro inferior esquerdo. No tocante ao uso de medicação anticoagulante (cumarínico), em que nível se deve manter o INR para garantir uma boa anticoagulação?
Compartilhar