Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Homem de 40 anos com queixa de pirose traz uma endoscopia que revelou esôfago de Barrett longo. O exame histopatológico confirma esôfago de Barrett sem displasia. A melhor conduta a seguir é:

A
Observação.
B
Inibidor de bomba de prótons.
C
Válvula antirrefluxo.
D
Ablação a Laser.
E
Ressecção.
Paciente de 35 anos, sexo masculino, comparece ao ambulatório com queixa de dor lombar persistente há seis meses. Refere que a mesma é pior ao acordar e melhora ao longo do dia com movimentação ou exercícios. Procurou pronto-socorro há alguns meses, tendo recebido receita de anti-inflamatório, do qual faz uso eventual com melhora parcial do quadro. Exame físico mostrou dor à palpação das articulações sacroilíacas e restrição da flexão da coluna (teste de Schober positivo). Exames laboratoriais recentes estão normais. Radiografia de tórax e de sacroilíacas estão normais. Considerando a principal hipótese diagnóstica para este paciente, qual a conduta terapêutica mais adequada no momento?
Qual é a causa mais comum de cardiopatia congênita cianótica com hiperfluxo pulmonar?
O sinal da dupla bolha em Raio X simples de abdome de recém-nascido com clínica de oclusão intestinal alta sugere:
Um paciente de 75 anos foi internado devido a um quadro de AVC isquêmico, apresentando afasia, hemiplegia à esquerda. Está apático e com a mobilidade muito limitada, no leito. Tem história de ser hipertenso sem tratamento e tabagista de longa data. Familiares negam que o paciente tenha outras comorbidades. Durante sua evolução na enfermaria, observou-se, após 48 horas de internação, a presença de uma úlcera de decúbito em região sacral, com necrose de tecido subcutâneo que se estende em direção à fáscia subjacente sem atravessá-la. Podemos afirmar que se trata de:
Compartilhar