Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Homem de 48 anos foi atendido no pronto-socorro com hematêmese. A endoscopia demonstrou lesão deprimida, bem delimitada, de 1,5 cm no antro gástrico. O anatomopatológico da biópsia da mucosa adjacente revelou pequenas estruturas espiraladas junto à superfície epitelial. O diagnóstico mais provável é:

A
Doença do refluxo gastroesofágico.
B
Adenocarcinoma gástrico precoce.
C
Úlcera péptica.
D
Gastrite autoimune.
E
Tumor estromal gastrointestinal.
Um senhor idoso de 88 anos, pedreiro aposentado, chegou ao pronto-socorro acompanhado por seus familiares. Segundo os cuidadores, o paciente apresentava discurso incoerente há 3 dias. Cochilava várias vezes por dia e quando acordado não parecia reconhecer onde estava. Em alguns momentos ficava agitado e dizia ver sombras que puxavam seus braços e pernas. Tais visões eram mais comuns no período noturno. Na avaliação inicial o paciente colaborou pouco. Não foi capaz de dizer o dia da semana e nem onde estava. Não foi capaz de soletrar a palavra MUNDO de trás para a frente (de forma inversa). Estava com as mucosas secas. Relatou dor no abdômen inferior à palpação. Notou-se tremores de extremidade em repouso e sinal da roda denteada positivo. A pressão arterial era de 90 x 58 mmHg e a frequência cardíaca de 72 bpm. A temperatura axilar era de 35,9 °C. A ausculta pulmonar não demonstrava ruídos adventícios e a ausculta cardíaca sopro sistólico 1+/4+ panfocal. Segundo os cuidadores, também era portador de insuficiência cardíaca congestiva e doença de Parkinson. Fazia uso de carvedilol e biperideno (este último introduzido há 7 dias). Qual a melhor conduta inicial?
Ao examinar um RN em alojamento conjunto você observa reflexo esbranquiçado na pupila direita, diferentemente da cor vermelho-alaranjada da pupila contralateral. Quais os diagnósticos mais pertinentes a tal achado?
Homem, 70 anos, residente em uma pensão, foi levado ao médico da unidade básica de saúde. Nos últimos meses ele “cismou” que a sua comida estava envenenada, passando a ingerir apenas alimentos congelados ou enlatados. Negava humor deprimido, alterações do sono e apetite, dificuldades de memória e concentração, bem como alucinações. Cuidava de suas finanças e realizava suas atividades diárias sem dificuldade. Exceto pela grave perda auditiva, os exames físico e neurológico não apresentavam alterações. O mini exame do estado mental foi compatível com a escolaridade. A HIPÓTESE DIAGNÓSTICA É:
Menino, 3a, queixa-se de dor em joelho direito há 5 dias, que piora com esforço físico. Nega sinais inflamatórios. Tem história de quadro infeccioso de vias aéreas superiores há 10 dias. Exame físico: marcha claudicante, limitação da abdução e rotação interna do quadril direito, sem outras alterações. A HIPÓTESE DIAGNÓSTICA E A CONDUTA SÃO:
Compartilhar