Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Nefrologia

Homem de 67 anos, tabagista de longa data, passou a apresentar, há menos de 1 ano, hipertensão arterial sistêmica. Na última consulta, há 5 anos, estava normotenso e os exames mostravam dislipidemia. Há poucos meses, começou a fazer uso de estatinas e adotou um programa de exercícios, que vem cumprindo parcialmente. Na investigação atual, o potássio sérico é de 3,5 mEq/L, o EQU está normal e a ultrassonografia abdominal mostra rim esquerdo com 8 cm (polo a polo) e rim direito com 14 cm. Qual a causa mais provável da hipertensão arterial?

A
Estenose de artéria renal por ateroma.
B
Estenose da artéria renal por displasia fibromuscular.
C
Nefropatia de refluxo unilateral.
D
Glomerulonefrite primária.
E
Refluxo vesicoureteral congênito unilateral.
Escolar de 11 anos, assintomático, comparece para consulta ambulatorial devido ao diagnóstico recente de tuberculose e infecção pelo HIV em sua mãe. Exame físico normal, cicatriz de BCG realizada ao nascimento. A investigação diagnóstica da criança mostrou sorologia para o HIV negativa, radiografia de tórax normal e prova tuberculínica de 6 mm. Segundo as recomendações atuais para o controle da tuberculose no Brasil, a conduta recomendada para este menino é:
Um escolar com diabetes mellitus do tipo 1, cuja família realiza monitoração de glicemias, vai ao pronto atendimento com quadro de tosse e febre. Tem como diagnóstico pneumonia lobar sem complicações e está bem compensado do diabetes. A conduta recomendada é tratamento:
Mesmo sendo considerado um importante problema de saúde pública, o alcoolismo costuma ser identificado apenas em seus estágios finais, quando já ocorreram grandes perdas e as chances de reabilitação do indivíduo são menores. O consumo de álcool é, em geral, socialmente aceito, o que provoca grande dificuldade na classificação do estado em que se encontram os usuários. A alternativa que define o padrão e as implicações do consumo de álcool é:
Quais são as patologias que devem estar incluídas obrigatoriamente, seguindo as evidências científicas atuais, em todos os protocolos de triagem neonatal?
Compartilhar