Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Infectologia

Interprete os resultados da análise do LCR abaixo, de uma criança de 3 anos com suspeita de meningite: Aspecto: Turvo; prot: 200 mg/dL; glicorraquia: 20 mg/dL; leucócitos: 510/mm3 (80% seg. e 10% linf) bacterioscopia: diplococos gram positivo. O provável diagnóstico é:

A
Meningite bacteriana provavelmente meningocóccica.
B
Meningite bacteriana provavelmente pneumocóccica.
C
Meningite bacteriana provavelmente por Haemophilus influenzae.
D
Meningite viral.
E
Meningite tuberculosa.
A obstrução intestinal por cálculo biliar ocorre, mais frequentemente, no:
Criança com 8 meses de vida vem apresentando redução do apetite e pouco ganho ponderal. Ao exame físico apresenta bom estado geral, ativo, cooperante, porém com importante palidez cutâneo-mucossa; fígado a 3 cm do rebordo costal direito, baço não palpável, traube livre, sem outras anormalidades no exame físico. História pré e perinatais sem intercorrências, porém apresentou icterícia fisiológica. É alimentado com leite de vaca desde o 4° mês de vida. Qual a hipótese diagnóstica mais provável?
Considere as seguintes afirmações no que se refere às infecções causads por Haemophilus Influenzae: I. A meningite por este agente ocorre comumente em crianças menores de cinco anos de idade e em adultos com história de traumatismo craniano ou extravasamento liquórico. II. É comum a ocorrência de derrames parapneumônicos ou de empiema em pacientes com pneumonia pelo haemophilus influenzae. III. Constitui-se como a causa mais frequente de otite média em crianças de pouca idade. IV. A ampicilina é o agente de escolha para tratamento das infecções pelo haemophilus influenzae. V. Com frequência pacientes com doença pulmonar crônica conhecida apresentam traqueobronquite por este agente, caracterizada por achados radiográficos de condensação lobar, ausência de febre e piora gradual do quadro respiratório subjacente. Avalie as seguintes assertivas, selecionando a correta:
Qual a droga de escolha para o tratamento da coqueluche em pré-escolares, escolares e adolescentes, na ausência de intolerância medicamentosa?
Compartilhar