Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Pneumologia

Dermatologia

J.F.S., paciente do sexo masculino, com 40 anos de idade, casado, desempregado, residente no bairro de Nova Descoberta (Recife – PE), consome bebida alcoólica de forma abusiva. Foi diagnosticado como um caso novo de tuberculose pulmonar. Quando estava no final do 3º mês com o Esquema I (2RHZ/4RH), abandonou o tratamento e só retornou ao Serviço de Saúde após 6 meses. O médico que o atendeu deve indicar um novo esquema de tratamento para tuberculose, recomendado pelo Ministério da Saúde, que, além de rifampicina, isoniazida e pirazinamida, inclua:

A
estreptomicina.
B
etionamida.
C
etambutol.
D
clofazima.
MJM tem 65 anos e trabalhou por 30 como tecelã em uma empresa de sua cidade natal, no interior de Minas Gerais. MJM relatou tomar conta de 20 teares. O ambiente era quente, úmido (era aspergido vapor de água no ambiente para evitar ruptura dos fios) e bastante ruidoso. A paciente queixa-se de perda da audição e principalmente de zumbidos em ambos os ouvidos (como se fosse uma cachoeira), o que no momento, constitui o sintoma que mais a incomoda. A audiometria tonal revelou Perda de Audição neurossensorial com predomínio das perdas nas frequências elevadas (entre 3000 e 6000 Hz), padrão sugestivo de PAIR - Perda de Audição Induzida pelo Ruído. Com relação aos zumbidos que acompanham o quadro, podemos afirmar, EXCETO:
Menino, 7 anos, apresenta subitamente dor de garganta, calafrio, febre alta, cefaleia e dor abdominal. As amígdalas estão hiperemiadas, edemaciadas e recobertas por exsudato purulento. Há petéquias no palato. Palpa-se gânglio cervical doloroso à direita. O abdome é inocente. Demais dados do exame físico são normais. Em relação a esta situação são apresentadas as seguintes assertivas: I. O uso de penicilina é adequado para o caso. II. O uso de anti-inflamatórios não hormonais diminui o risco das complicações não supurativas. III. Após 48 horas de tratamento antimicrobiano adequado, não mais ocorre transmissão da doença. Qual é a alternativa correta?
Menino de três anos é trazido pelos pais ao urologista com quadro de hematúria macroscópica indolor e sem coágulos há dois meses. O menino não apresenta comorbidades. O exame físico revela-se normal, estando a criança em bom estado geral, corada, e com discreta dor a palpação do flanco e hipocôndrio direitos. A tomografia computadorizada com contraste intravenoso revelou rim direito normal e massa renal a esquerda, de 8 cm, preservando o polo inferior, chegando quase até a linha média, heterogênea. A principal hipótese diagnóstica e o tratamento mais indicado são:
Mulher de 68 anos, portadora de doença pulmonar obstrutiva crônica, hipertensão arterial e ex-tabagista tem achado incidental de aneurisma da aorta abaixo da emergência das artérias renais com diâmetro máximo de 5,5cm. É assintomática com relação ao aneurisma. Realiza atividades domésticas sem auxílio. Qual a conduta recomendada neste caso?
Compartilhar