Questões na prática

Preventiva

João Antônio é um trabalhador na área de limpeza urbana. Tem 52 anos e é casado. No último mês, João conseguiu fazer um “plano de saúde” para ele, sua esposa e seus dois filhos. Resolveu, portanto, fazer uma revisão de saúde. Após a consulta, foi informado pelo médico que precisaria fazer alguns exames. Ao tentar autorizar seus exames, descobriu que o plano feito por ele não oferecia cobertura para exames complementares. Foi sugerido que procurasse uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para realizar os exames. Considerando que você seja o médico dessa UBS, assinale a opção que contenha a conduta, a justificativa e o princípio do Sistema Único de Saúde (SUS) que sejam coerentes com a situação de João:

Lactente de 10 meses apresenta crise convulsiva generalizada em vigência de febre (T. axilar de 39°C), com duração inferior a 15 minutos. Não apresenta sinais de irritação meníngea, exame neurológico sem alterações, sem evidência de foco infeccioso. Apresentara quadro semelhante aos 6 e 9 meses, sendo atendido em hospital nos dois episódios. Não usa medicação profilática. Após estabilizar o paciente, seria fundamental a realização de qual exame complementar para confirmação diagnóstica?
Fabiana, 14 anos, veio acompanhada com a mãe à consulta com seu médico de família. Fabiana queixa-se de “espinhas” e muito preocupada, pois ainda “não ficou menstruada e todas as amigas já ficaram”. Ao examinar Fabiana, o médico avaliou de acordo com a classificação de Tanner, que Fabiana se encontrava nos estádios M3, P3. Peso: 46Kg e Estatura: 1,55 m. Quanto ao desenvolvimento puberal de Fabiana, qual a hipótese diagnóstica mais provável?
Mulher de 62 anos, nuligesta, diabética, hipertensa e obesa, com menopausa aos 56 anos, queixa-se de sangramento vaginal há cerca de 2 meses, associado a desconforto pélvico leve. Última citologia oncótica há 8 meses, sem alterações. Nega tratamento hormonal na menopausa. Qual fator de risco não está associado com o quadro acima?
Paciente apresenta hérnia de hiato esofágico do tipo 1 associada a refluxo gastro-esofágico e mucosa de Barrett com displasia grave, sendo indicada ablação fotodinâmica da mesma. Cerca de 12 horas após o procedimento endoscópico para tal, apresenta dor retroesternal com irradiação cervical e enfisema subcutâneo nesta região. Qual o melhor método diagnóstico para o quadro clínico agudo, apresentado pelo paciente?
Compartilhar