Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Jovem de 17 anos, com 38 semanas de gestação, foi internada no centro obstétrico por encontrar-se na fase ativa do trabalho de parto sem comorbidades ou intercorrências. Feito o bloqueio peridural para analgesia, a paciente sofreu parada cardiorrespiratória, que não reverteu após as manobras de ressuscitação realizadas durante 5 minutos. Qual a próxima conduta a ser adotada?

A
Manter os esforços de ressuscitação, utilizando os mesmos medicamentos e doses empregados fora da gestação; a sobrevivência do feto depende da ressuscitação materna.
B
Realizar cesariana de emergência com intenção de aumentar a chance de ressuscitação materna.
C
Realizar cesariana de emergência com intenção de salvar o feto.
D
Manter as manobras de ressuscitação por até 10 minutos e, na ausência de resposta, realizar cesariana de emergência.
E
Manter os esforços de ressuscitação e aumentar as doses dos vasopressores para compensar o aumento do volume circulatório decorrente da gestação.
Paciente, cinco anos, foi levado à consulta, pois o clínico que atendeu o menino no Pronto-socorro suspeitou de um sopro cardíaco. Das cardiopatias acianóticas, qual apresentada a seguir é a mais frequente?
Qual dos critérios abaixo caracteriza a crise convulsiva febril complexa ou complicada?
Em relação à semiologia do aparelho cardiovascular em Pediatria, é correto afirmar:
Homem branco com 74 anos, fumante, hipertenso, com cardiopatia isquêmica e angioplastia prévia, procura a emergência com dor abdominal de média intensidade há 4 horas. Ecografia abdominal não visualiza outras patologias, exceto um aneurisma de aorta abdominal de 8,6 cm de comprimento com 5,8 e 5,2 cm de diâmetros anteroposterior e laterolateral que o paciente desconhecia ter. Qual é a melhor conduta em relação ao caso clínico?
Compartilhar