Questões na prática

Pediatria

Pediatria Geral

Lactente de nove meses é levado à Unidade Básica de Saúde devido a um quadro de vômitos que se iniciou no dia anterior e de diarreia com seis evacuações líquidas hoje, juntamente com febre e inapetência no mesmo período. A mãe nega muco ou sangue nas fezes e refere que seu filho também está “gripado”. O médico ao consultar a Caderneta da Criança observa que somente foram realizadas as vacinas do primeiro mês, conforme a recomendação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério de Saúde (PNI/MS). No exame físico, o paciente encontra-se pálido, irritado, com sede, mucosas secas, olhos fundos, pulsos finos e elasticidade da pele diminuída, abdômen levemente distendido com ruídos hidroaéreos hipercinéticos, sem dor ou organomegalias à palpação enquanto que, o restante do exame, não mostra outras alterações. Baseado nessas informações, qual o provável agente etiológico do quadro acima e qual a conduta, de acordo com o Ministério da Saúde?

A
Rotavírus - Iniciar, na Unidade Básica de Sáude, terapia de reidratação oral, reavaliando periodicamente.
B
Rotavírus - Encaminhar para internação hospitalar para hidratação venosa e realização de exames complementares.
C
Shigella sp. - Aplicar uma dose de antiemético parental e iniciar, após 30 minutos, a terapia de reidratação oral na Unidade.
D
Shingella sp. - Liberar para casa com recomendação de aumento da ingestão hídrica e administração de soro caseiro após cada evacuação.
E
Saimonella sp. - Liberar para casa com prescrição de terapia de reidratação oral e orientação para retorno imediato em caso de piora.
Paciente, 28 anos de idade, sexo masculino, apresenta-se há 72 horas com febre de até 39°C, cefaleia e dor de garganta. Notou vermelhidão na pele há 24 horas. Ao exame físico, apresenta enantema oral predominante em língua e tonsilas, com hipertrofia de papilas, além de exantema eritematodescamativo acometendo face e tronco e poupando palma das mãos e sola dos pés. O exantema facial poupa região perioral e apresenta-se mais intenso em dobras, onde conflui nas linhas de flexão. O hemograma mostrou 15 mil leucócitos/mm³ com 75% de polimorfonucleares, 160 mil plaquetas/mm³ e Hb: 16 g/dl. No diagnóstico desse paciente, o exame mais útil é:
Mulher obesa, internada para cirurgia bariátrica, apresenta, no segundo dia de pós-operatório, na UTI, queda da saturação da hemoglobina. Está sedada e em uso de ventilação mecânica. A chapa de Raios-X de tórax tirada no leito mostra condensação homogênea triangular à esquerda, com desvio da traqueia para o lado da lesão, retração costal e apagamento da silhueta cardíaca. Esse achado é indicativo de:
Paciente sexo masculino, 10 anos de idade, procedente da zona rural. Apresenta queixa de febre, cefaleia e dor abdominal. Na história, destaca-se a ocorrência de um abscesso em couro cabeludo, há 30 dias, associado a febre. Após a ocorrência do fato, o paciente desenvolveu um quadro de persistência da febre e dor importante em HCD. O estado geral piorou, com leucocitose: 20000 com predomínio de polimorfonucleares (bastões: 10%, segmentados: 50%, linfócitos: 25%, eosinófilos: 15%) HT: 36, Hb: 11,6, TGO: 33,5, TGP: 34,7. O estudo, por imagem, de abdome mostrou fígado com dimensões limítrofes, múltiplas hipodensidades, em lobo direito, a maior delas em situação subcapsular, medindo 3,0 cm, em seu maior diâmetro. O diagnóstico mais provável, para o quadro descrito é:
Criança, 4 anos de idade, é internada com quadro de náusea, vômito e dor abdominal. Apresenta-se torporosa, emagrecida, febril, TAX: 38°C, com sinais de desidratação, apesar da diurese abundante, enchimento capilar: 6 seg, F.R.: 40 irpm, PA: 80x40 mmHg, F.C.: 120/bpm. Os exames laboratoriais iniciais revelaram glicemia: 500 mg/dl, K: 4,7, Na: 126, PCO2: 16 mmHg, PO2: 75 mmHg, SatO3: 95%, gasometria arterial Ph: 7,15, HCO3: 6 mEq/l. Nesse caso, pode-se afirmar que se trata, provavelmente, de
Compartilhar