Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Cardiologia

Neonatologia

Lactente de seis meses, portador de trissomia do cromossomo 21, apresenta história de cansaço às mamadas, infecções respiratórias de repetição, baixo ganho pondo-estatural, além de sudorese acentuada. Ao exame físico, apresenta-se acianótica, com B2 hiperfonética e desdobrada em foco pulmonar, além de sopro sistólico com regurgitação discreta em borda esternal esquerda baixa, e os pulsos arteriais normais. O ECG mostra o eixo de QRS a– 60º, além de sobrecarga bi ventricular. O diagnóstico mais provável desta criança é:

A
Comunicação interatrial.
B
Comunicação interventricular.
C
Defeito do septo atrioventricular.
D
Persistência do canal arterial.
E
Miocardiopatia dilatada.
Nasceu uma criança com fenda palpebral oblíqua, orelhas de implantação baixa, braquicefalia, prega palmar transversal única e clinodactilia dos quintos dedos das mãos. O exame clínico foi sugestivo de cardiopatia. O geneticista avaliou e suspeitou de uma síndrome cromossômica e solicitou um cariótipo. O exame confirmou a hipótese. A cardiopatia congênita mais comum nessa situação é:
Adolescente de 14 anos, sexo masculino, procura atendimento por apresentar vários episódios de epistaxe nos últimos três meses. Mãe nega história de hematomas ou sangramentos. Exame físico: normal. Durante o exame apresenta epistaxe leve a moderada, sugerindo sangramento anterior no plexo de Kiesselbach. A conduta incial deve ser:
A doença de Graves constitui a causa mais comum de hipertireoidismo e pode estar acompanhada de:
Considerando a importância da avaliação clínica e laboratorial pré-operatória no preparo de pacientes para operações eletivas, julgue o item a seguir. Se um paciente relatar casos de membros da família que apresentaram demora do efeito anestésico, isso poderá levar o anestesiologista a evitar o uso de succinilcolina como estratégia desse paciente.
Compartilhar