Questões na prática

Pediatria

Pediatria Geral

Lactente, feminino, com dois meses de idade, branca, foi levada ao pronto-socorro com história de cinco dias de febre, choro constante, urina de coloração amarelo escuro e odor fétido e recusa alimentar. Ao exame físico, apresentava-se febril (Tax: 39°C), mucosas hipocoradas (+/ ++++) e agitada. Foram solicitados: hemograma, EAS e urocultura. O EAS evidenciou densidade de 1030; PH: 6,0; proteínas (+); hemoglobina (+); flora bacteriana (++); muco (+++); leucócitos (20-22); hemácias (9-11); glicose e cilindros negativos. Hemograma: Hb (10,2) e hematócrito (31,3), leucócitos totais (28.000) e 76% segmentados; 0% bastões, 19% de linfócitos; 4% de monócitos e 1% de eosinófilos. Plaquetas: 391.000. Em relação a essa situação hipotética, assinale a alternativa que contém a conduta terapêutica mais indicada.

A
Internar e iniciar antibioticoterapia (gentamicina, amicacina ou ceftriaxona endovenoso) e aguardar o resultado da urocultura e antibiograma.
B
Liberar para casa com antitérmico e soro oral, pois, provavelmente, trata-se de uma virose com desidratação.
C
Aumentar ingestão de líquidos e rever a paciente após 48 horas.
D
Prescrever cefalexina por sete dias e rever a criança após esse prazo.
E
Solicitar ultrassonografia de rins e vias urinárias e não prescrever antibioticoterapia sem o resultado da urocultura.
O delírio pós-operatório ocorre numa proporção de 11 a 25 %, com maiores índices registrados em idosos. Entre os diagnósticos abaixo, o que NÃO é fator causal do delírio:
Sobre o Câncer de Nasofaringe, qual o sintoma mais comum de apresentação inicial:
Um paciente com quadro de obstrução arterial aguda é visto numa localidade onde não existem condições para cirurgia arterial, devendo ser removido para outra cidade. Qual seria a medicação de escolha a ser utilizada para tentar impedir o agravamento do quadro isquêmico?
Mãe comparece ao Ambulatório Araújo Lima da UFAM com lactente de dois meses apresentando há um mês estridor inspiratório que piora com decúbito dorsal. Qual o provável diagnóstico?
Compartilhar