Questões na prática

Pediatria

Pediatria Geral

Lucas, 7 meses, não está mais sendo amamentado, pois sua mãe Nicole mudou-se para São Paulo, deixando o bebê sob os cuidados da avó. Lucas nasceu de parto normal, com 35 semanas de gestação, pesando 2.300 gramas. Vivem em casa própria (de material aproveitado) no Pirambu (bairro da periferia de Fortaleza), a avó, 2 filhas solteiras, Lucas e mais 3 crianças de 2, 3 e 5 anos. A renda mensal da família é de R$ 150,00 reais que uma das filhas recebe como “flanelinha”. Considerando a idade de Lucas e as condições familiares, qual o esquema alimentar mais eficaz para o adequado crescimento e desenvolvimento de Lucas:

A
Fórmulas lácteas enriquecidas exclusivamente.
B
Leite + cereal ou tubérculo pela manhã; papa de frutas no lanche; papa salgada no almoço; papa de frutas no lanche, leite + cereal ou tubérculo no final da tarde e à noite.
C
Leite + cereal ou tubérculo pela manhã; papa de frutas no lanche; papa salgada no almoço; papa de frutas no lanche; jantar com alimentos consumidos pela família (comidinha).
D
Leite com cereais pela manhã, papa de frutas nos lanche da manhã e tarde e no almoço; leite com cereais à tarde e à noite.
M.S.T., masculino, 8 meses, nascido a termo, parto vaginal com fórceps, Apgar 5/9 e peso de 3200 g. Recebeu aleitamento materno até 3 meses de idade, quando foi introduzido leite de vaca integral diluído ao meio e dieta complementar. Na consulta de rotina na UBS, observado baixo ganho de peso, palidez, esplenomegalia discreta e atraso do desenvolvimento neuropsicomotor. Não há referências de doenças familiares. A hipótese diagnóstica e conduta mais corretas neste caso seriam:
Recém-nascido de 8 dias de vida encontra-se na unidade de terapia intensiva com suspeita de cardiopatia congênita. Ao exame físico: mal estado geral, taquidispneico, perfusão capilar lentificada, pele fria e cianose importante. Saturação de 50%. Ausculta cardíaca: ritmo cardíaco regular em 2 tempos com sopro sistólico ++ em 6+, audível na borda esternal esquerda baixa. Pulsos filiformes e presentes nas quatro extremidades. A principal hipótese é:
A causa mais comum de hemorragia gastrointestinal aguda baixa em pacientes menores de 30 anos é:
Escolar de oito anos é levado a consulta de emergência devido a quadro de febre alta (39-39,5°C) e dor de garganta há quatro dias. Os pais informam que o paciente vem recebendo azitromicina há 48 horas sem melhora. Exame físico: exsutado purulento sobre as amígdalas, hiperemia de pilar anterior, petéquias em palato, linfadenomegalia generalizada e ponta de baço palpável. A principal hipótese diagnóstica e a conduta indicada nesse momento são, respectivamente:
Compartilhar