Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Pneumologia

Dermatologia

MAC, sexo masculino, 34 anos, pardo, casado, auxiliar de pedreiro, residente em Cariacica (ES). Há 2 meses evolui com tosse, inicialmente seca, passando a produtiva de expectoração amarelada, medicado com xaropes caseiros, sem melhora. Há 3 semanas passou a apresentar episódios de febre baixa, intermitente, adinamia, cansaço, dificuldade para tolerar esforço no trabalho, e notou emagrecimento. Feito exame médico, apresentava-se febril, eupneico, levemente hipocorado, linfonodos não palpáveis, discretos estertores audíveis na região interescapular à direita, demais dados do exame físico normais; diagnosticada infecção respiratória, sendo prescrito azitromicina/5 dias e xarope antitussígeno. Evoluiu sem melhora, vindo a apresentar hemoptóicos. Retornou ao médico sendo então solicitado exame de escarro que foi positivo para BAAR em duas amostras consecutivas. O paciente é tabagista há 15 anos, nega antecedentes de pneumopatias ou outras doenças, e desconhece contato com portadores de tuberculose. Com relação ao caso acima você afirmaria que:

A
Há elementos suficientes para caracterizar como caso de turbeculose pulmonar de re-infecção do adulto (pós-primária), devendo ser iniciado imediatamente o tratamento específico.
B
Há elementos característicos de tuberculose pulmonar primária (primo-infecção evolutiva), devendo ser iniciado o tratamento específico.
C
Não há elementos suficientes para definir como caso de tuberculose, sendo necessário proceder à radiografia do tórax e cultura do escarro antes de iniciar o tratamento.
D
Pode ser firmado o diagnóstico de tuberculose, mas antes de iniciar o tratamento deve ser solicitada cultura de escarro BK e teste de sensibilidade às drogas anti-tuberculose, devido ao risco de resistência bacteriana às mesmas.
E
Trata-se de um caso de tuberculose pulmonar, mas não é possível definir se é primária ou pós-primária.
O anaeróbio mais comumente isolado nas peritonites secundárias é:
A causa mais comum de hipoparatireoidismo é:
São efeitos colaterais do desoxicolato de anfotericina B, droga usada no tratamento da leishmaniose grave, exceto:
Na dequitação deve-se considerar que: I. a retirada manual da placenta abrevia o tempo da cesariana ou do parto, reduzindo o risco de infecção. II. a inserção fúndica da placenta, a atonia uterina e o acretismo placentário são fatores predisponentes à inversão uterina. III. na placenta percreta, como o tecido placentário não ultrapassa o miométrio, o tratamento é realizado por via abdominal. IV. na inversão uterina aguda, a primeira tentativa de correção a ser adotada é por via vaginal. Estão corretas somente as afirmações:
Compartilhar