Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Pneumologia

Dermatologia

MAC, sexo masculino, 34 anos, pardo, casado, auxiliar de pedreiro, residente em Cariacica (ES). Há 2 meses evolui com tosse, inicialmente seca, passando a produtiva de expectoração amarelada, medicado com xaropes caseiros, sem melhora. Há 3 semanas passou a apresentar episódios de febre baixa, intermitente, adinamia, cansaço, dificuldade para tolerar esforço no trabalho, e notou emagrecimento. Feito exame médico, apresentava-se febril, eupneico, levemente hipocorado, linfonodos não palpáveis, discretos estertores audíveis na região interescapular à direita, demais dados do exame físico normais; diagnosticada infecção respiratória, sendo prescrito azitromicina/5 dias e xarope antitussígeno. Evoluiu sem melhora, vindo a apresentar hemoptóicos. Retornou ao médico sendo então solicitado exame de escarro que foi positivo para BAAR em duas amostras consecutivas. O paciente é tabagista há 15 anos, nega antecedentes de pneumopatias ou outras doenças, e desconhece contato com portadores de tuberculose. Com relação ao caso acima você afirmaria que:

A
Há elementos suficientes para caracterizar como caso de turbeculose pulmonar de re-infecção do adulto (pós-primária), devendo ser iniciado imediatamente o tratamento específico.
B
Há elementos característicos de tuberculose pulmonar primária (primo-infecção evolutiva), devendo ser iniciado o tratamento específico.
C
Não há elementos suficientes para definir como caso de tuberculose, sendo necessário proceder à radiografia do tórax e cultura do escarro antes de iniciar o tratamento.
D
Pode ser firmado o diagnóstico de tuberculose, mas antes de iniciar o tratamento deve ser solicitada cultura de escarro BK e teste de sensibilidade às drogas anti-tuberculose, devido ao risco de resistência bacteriana às mesmas.
E
Trata-se de um caso de tuberculose pulmonar, mas não é possível definir se é primária ou pós-primária.
Paciente do sexo feminino com 21 anos de idade e história de nódulo em lobo direito da glândula tireoide medindo 0,9cm teve como diagnostico citologico lesão ou padrão folicular. Qual a melhor conduta?
A conduta atual para o paciente do caso anterior é:
Assinale a principal causa de insuficiência renal aguda parenquimatosa.
Fisioterapeuta de 35 anos de idade, branco, casado. Realizou exames laboratoriais para admissão em concurso público. Assintomático. Exames complementares hemograma, glicemia, ureia, gama glutamiltranspeptidade, fosfatase alcalina e aminotransferases normais. Exame físico nada digno de nota. Encaminhado ao gastroenterologista por apresentar como perfil viral HBsAg (+); Anti-HBc IgM (-); Anti-HBc IgG (+); Anti-HBs (-); HBeAg (+); Anti-HBe (-). O perfil viral deste paciente sugere:
Compartilhar