Questões na prática

Pediatria

Neuropediatria

Mãe de um menino de dois meses portador de Síndrome de DOWN procura o ambulatório para acompanhamento da criança. Traz uma investigação preliminar com TSH e T4 normais. Após exame físico cauteloso, a conduta mais adequada para dar prosseguimento imediato à investigação consiste em solicitar:

A
ecocardiograma caso a criança apresente anormalidades ao exame físico.
B
ecocardiograma, mesmo com exame físico normal.
C
tomografia de crânio.
D
radiografia de coluna cervical.
E
anticorpos antitireoideanos.
Dentre as recomendações gerais para a abordagem de pacientes com transtornos somatoformes, pode-se afirmar que:
Assinale a alternativa que apresenta uma característica da neuropatia do pudendo.
Paciente masculino 35 anos de idade, vítima de atropelamento.Trazido pelo resgate, deu entrada no serviço de emergência. Encontrava-se agitado, com frequência respiratória de 32 mrp, frequência cardíaca 128 bpm e PA 90/60. Apresentava lacerações múltiplas em hemiface D, couro cabeludo, fratura perna esquerda e escoriações em hemitorax D e abdômen. Após avaliação inicial, e reanimação ABCs, realizou-se FAST (ultrassom na sala de emergência) com resultado positivo. O paciente permaneceu com quadro de instabilidade, ao que o cirurgião indicou laparotomia exploradora. Durante o ato operatório no inventário da cavidade abdominal encontrou-se: laceração hepática (grau III); contusão pancreática (grau I); e lesão intestino delgado (grau II). Todas as lesões foram tratadas adequadamente. Após a intervenção, o paciente foi encaminhado para a unidade de terapia intensiva. Na avaliação do intesivista: registram-se PAM (pressão arterial média) 82; PIA (pressão intra-abdominal) 20; GASOMETRIA (BE -11, PCO2 38, PO2 95, HCO3 21); LACTATO SERICO 3 e Creatinina 1.6. Considerando esse quadro qual é a melhor conduta em relação ao atendimento do paciente?
Paciente de 45 anos procura o atendimento de urgência se queixando de dor abdominal de forte intensidade, localizada em baixo ventre. Refere vida sexual ativa com fluxos menstruais irregulares. Não faz uso de métodos anticoncepcionais. GV PIV CI (para laqueadura tubária). Ao exame: corada, hidratada, acianótica, apirética. FC: 120 bpm, PA: 90x50mmHg. Abdome: plano, flácido, doloroso palpação profunda em hipogástrio, peristalse presente. Toque: presença de tumoração pediculada no canal vaginal, dolorosa à mobilização, presença de sangramento de grande quantidade, fundo de saco posterior e anterior indolores. Frente ao caso clínico podemos afirmar que:
Compartilhar