Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Maria, 35 anos, gesta III/II, II partos normais, foi trazida pelos vizinhos para maternidade apresentando crises convulsivas tônico-clônicas generalizadas. Ao examinar a paciente você verificou pressão arterial de 180x120 mmHg, edema de membros inferiores, fundo uterino de 36 cm, BCF 120 bpm, colo posterior e fechado. Um vizinho informa que a mesma não faz pré-natal e faz uso irregular de medicação anti-hipertensiva. A conduta adequada para Maria, neste momento, é:

A
indicar cesariana.
B
iniciar sulfato de magnésio e hidralazina venosa.
C
fazer diazepan venoso para prorrogar cesariana.
D
iniciar sulfato de magnésio e induzir o parto com ocitocina.
Lactente de 45 dias apresentou crise convulsiva generalizada de curta duração associada à febre. Apesar de o quadro ter se repetido no dia seguinte, a família não se alarmou porque outro filho já tinha tido convulsão febril. Do ponto de vista médico trata-se de convulsão:
As indicações de ventilação com pressão positiva durante as manobras de reanimação do recém-nascido na sala de parto são:
Menina de 13 anos de idade ainda não teve menarca e está preocupada em saber se irá crescer mais. Ao exame encontrava-se com estadiamento puberal M3P3. Sabe-se que, com a menarca, o crescimento:
Criança, 4 meses de idade, sexo masculino, cor parda, em consulta de rotina apresentava-se pálida, sem outras alterações. Antecedentes pessoais: parto normal, 36 semanas, peso ao nascimento 2,7 kg, estatura 46 cm. Amamentou no seio materno exclusivo até 2 meses. Peso e estatura percentil 25 para a idade. Solicitando hemograma que evidenciou: Hb = 8,2 g/dl, VCM = 68, HCM = 25, RDW = 23, GB = 9.600/mm³ (segm = 40%, linf = 58%, monócitos = 2%), plaquetas 480.000/mm3. Reticulócitos 1%. Bilirrubina total: 0,9 mg/dl. Saturação de transferrina: 8%. A conduta é:
Compartilhar