Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Aparelho Digestivo

Marisa, 24 anos, obesa mórbida, foi submetida a cirurgia de redução gástrica por pela técnica de Fobbi-Capella. No 3° dia de pós-operatório apresentou taquicardia e desconforto abdominal e, no dia seguinte, observou-se drenagem de secreção biliosa pela ferida operatória. Este quadro sugere:

A
Deiscência de sutura de coto duodenal.
B
Fístula na anastomose gastro-jejunal.
C
Lesão inadvertida da vesícula biliar.
D
Fístula na anastomose jejuno-jejunal.
Em relação a endocardite infecciosa, podemos afirmar que:
Paciente feminina, 25 anos, apresenta-se com cefaleia, alteração do campo visual e amenorreia. Refere perda de peso, dor epigástrica e diarreia. Nos exames laboratoriais evidencia-se hipercalcemia. Qual o provável diagnóstico?
Em proporção significativa de casos o diabete melito é assintomático. O rastreamento para diabete melito deverá ser providenciado nas seguintes situações, EXCETO:
Uma paciente de 32 anos queixa-se de ansiedade, tremores, palpitações e dor na região cervical. Segundo informa, o quadro iniciou-se duas semanas após um episódio compatível com uma virose respiratória. Ao exame físico, a paciente apresenta-se taquicárdica, com mãos quentes e úmidas, além de sentir dor à palpação da tireoide seus exames revelam um TSH ultrassensível suprimido ( < 0,003 UI) e dosagens de T3 e T4 muito elevadas. A velocidade de hemossedimentação é muito elevada ( 100 mm primeira hora). A captação de iodo radioativo revela-se muito reduzida, e a dosagem de tireoglobulina sérica é elevada. Qual é o diagnóstico que se impõe como correto?
Compartilhar