Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Cardiologia

Marta, 60 anos, refere diagnóstico de DM há 15 anos. Iniciou uso de insulina NPH 20 UI SC, pela manhã há 5 anos. Vem ao consultório com queixa de sudorese fria e mal-estar há 1 hora. Ao exame físico, apresenta-se pálida, hidratada, taquicárdica e rítmica, PA = 150; 100mmHg, sem outras alterações. A melhor conduta é:

A
iniciar beta-bloqueador com retorno no consultório em 2 semanas
B
fazer uma glicemia capilar e solicitar um ECG
C
iniciar bloqueador de canal de cálcio e retorno no consultório em 2 semanas
D
pedir exames gerais e iniciar sulfato ferroso
E
encaminhar ao pronto-atendimento para transfusão sanguínea
Paciente de 15 anos, sexo masculino, vitima de queda de árvore, com fratura de arcos costais à esquerda, apresentando-se com, EGB, FC: 84 BPM, e PA; 110/70 mmHg. USG abdominal revelou pequena quantidade de liquido cavitário, baço com-lesão capsular extendendo-se ao parênquima e vasos trabeculares, conservando hilo, sem lesões associadas. Radiografia abdominal sem alterações. A lesão esplênica é classificada como:
Homem de 67 anos, tabagista de longa data, passou a apresentar, há menos de 1 ano, hipertensão arterial sistêmica. Na última consulta, há 5 anos, estava normotenso e os exames mostravam dislipidemia. Há poucos meses, começou a fazer uso de estatinas e adotou um programa de exercícios, que vem cumprindo parcialmente. Na investigação atual, o potássio sérico é de 3,5 mEq/L, o EQU está normal e a ultrassonografia abdominal mostra rim esquerdo com 8 cm (polo a polo) e rim direito com 14 cm. Qual a causa mais provável da hipertensão arterial?
Mulher de 35 anos consultou por quadro de artralgias de intensidade crescente nas mãos, nos cotovelos e nos tornozelos, há 5 meses, embora viesse fazendo uso de anti-inflamatório não hormonal (AINH). Referiu limitação funcional por dor, ao despertar, durante mais de 1 hora. Ao exame, encontrava-se em bom estado geral, corada, afebril, sem lesões de pele, com sinovite nas articulações interfalangianas proximais e metacarpofalangianas, bilateralmente, nos cotovelos e nos tornozelos. O restante do exame físico foi normal. De acordo com a principal hipótese diagnóstica, qual a conduta mais adequada?
Acerca da avaliação do bem-estar fetal anteparto no pós-datismo, considerar as assertivas abaixo: I - Dopplervelocimetria da aorta é o padrão específico de avaliação. II - Desacelerações variáveis da frequência cardíaca fetal podem significar oligoidrâmnio. III - A avaliação do líquido amniótico é importante, já que sua redução é comum no pós-termo e está associada à compressão do cordão umbilical. É(São) correta(s) a(s) assertiva(s):
Compartilhar